sábado, 24 de dezembro de 2011

Ônibus de Belém começam a circular pelas faixas exclusivas

23/12/2011 - ORM
Desde a última quarta-feira, os ônibus que trafegam pela Avenida Almirante Barroso, uma das principais vias de Belém, terão que circular obrigatoriamente pelas faixas 3 e 4 e, consequentemente, estão proibidos agora de andar nas faixas 1 e 2 , sob pena de multa de trânsito e administrativa.


A regulamentação da circulação obrigatória dos ônibus pelas faixas de tráfego 3 e 4 da Avenida Almirante Barroso é uma medida da CTBel (Companhia de Transportes do Município de Belém) para dar fluidez ao trânsito e possibilitar segurança aos passageiros que embarcam e desembarcam nas paradas da via.

O diretor afirma ainda que os ônibus que desrespeitarem a nova determinação da CTBel serão autuados por trafegar em local proibido, conforme especifica o CTB (Código de Trânsito Brasileiro). Feita a autuação, a empresa de ônibus será também notificada e depois aplicada a penalidade administrativa prevista no Regulamento do Serviço de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Belém.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Manaus ainda aguarda monotrilho e BRT

12/12/2011 - Mobilize Brasil

Projetos foram questionados por Ministério Público e CGU



Monitrilho Manaus
créditos: Simulação

A pouco mais de 900 dias para abertura da Copa do Mundo, nada há de concreto para melhorar a mobilidade urbana de Manaus. Ao se candidatar como cidade-sede, a capital amazonense apresentou dois projetos de envergadura para facilitar a vida dos moradores e turistas que virão ao Mundial: um monotrilho ligando a zona norte ao centro, e um sistema corredores rápidos de ônibus, o BRT (Bus Rapid Transit), conectando o centro à zona leste.

Sob a responsabilidade do governo estadual, o monotrilho foi licitado em março e deveria ter obras iniciadas neste mês de dezembro. No entanto, pendências com o Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) e a Controladoria Geral da União (CGU) impediram o início das obras.

Uma nota técnica emitida pelos órgãos aponta diversas irregularidades no projeto básico do monotrilho. O trajeto, por exemplo, passa por edifícios do centro histórico tombados pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Os documentos também não especificam o tipo de material a ser usado na obra, o que pode abrir portas para um aumento de preços.

Segundo os órgãos, "o projeto do governo do Amazonas é tão elementar que nem mesmo informa como o sistema vai operar quando as obras estiverem prontas". Além disso, o valor das tarifas não é especificado, e não há um plano para integrar o monotrilho ao BRT.

Por conta das irregularidades, os órgãos recomendaram à Caixa Econômica Federal que não libere o financiamento de R$ 600 milhões para a obra. Orçado em R$ 1,55 bilhão, o monotrilho integra a Matriz de Responsabilidades, documento assinado pela União com os estados e municípios da Copa que lista as obras essenciais ao evento.

O governo reluta em acatar as orientações do MPF-AM e da CGU, já que com isso seria necessário realizar um novo processo licitatório, aumentando os atrasos. “Uma nova licitação só acontecerá se houver mudanças no projeto básico, o que não está previsto pelo governo”, afirmou o coordenador da Unidade Gestora da Copa (UGP), Miguel Capobiango.

O governo do Amazonas já produziu dois estudos para tentar responder às falhas no projeto básico do monotrilho, ambos rejeitados pelo MPF-AM. Um novo relatório está sendo elaborado pela Secretaria Estadual de Infraestrutura (Seinfra). O executivo, porém, insiste que a construção do monotrilho não é essencial à realização da Copa. A informação oficial é que se as obras não começarem até o final do ano, o projeto não estará pronto até a Copa de 2014. “É interesse do estado resolver o problema da mobilidade urbana de Manaus, mesmo que isso não seja exigência da Fifa”, diz Capobiango.
 
Monitrilho Manaus
créditos: Simulação
Ônibus

Outro projeto apontado como solução para o trânsito de Manaus, o BRT também continua na prancheta. A primeira fase da licitação deve ocorrer no próximo dia sete com a abertura das propostas de preço. Desse modo, a prefeitura manauara também vai estourar o prazo previsto na matriz de responsabilidade, que previa o início das obras neste mês de dezembro.

O motivo do atraso é semelhante ao do monotrilho. O primeiro edital foi suspenso pelo MPF-AM exatamente por apresentar falhas no projeto, orçado em R$ 290,6 milhões.
Para a construção do monotrilho e do BRT serão necessárias diversas indenizações. Porém, nem mesmo o levantamento oficial foi apresentado para compor a análise.

Manaus: obras de mobilidade urbana

Monotrilho Norte-Centro
Status: atrasada
O que é: o monotrilho terá duas linhas: Norte-Centro e Leste-Centro. O primeiro terá sete estações, incluindo uma em frente da Arena Amazônia, e sairá do bairro Cidade Nova, o mais populoso de Manaus. A segunda linha terá 12 estações.
Estágio: licitação é contestada pelo MPF-AM e pela CGU.
Valor: R$ 1,554 bilhão (R$ 600 milhões financiados pela CEF).

BRT Eixo Leste-Centro
Status: atrasada
O que é: sistema de corredores exclusivos para ônibus que ligará a zona leste ao centro de Manaus. Projeto utilizará os terminais existentes.
Estágio: em licitação.
Valor: R$ 290,6 milhões (R$ 200 milhões financiados pela CEF).

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Marcopolo inicia entrega de ônibus na AM

02/12/2011 - Webtranspo

Encomenda engloba um total de 502 unidades -


Ônibus possuem acessibilidade.A Marcopolo iniciou a entrega dos primeiros ônibus, de um total de 502, que serão entregues às principais operadoras do transporte de Manaus (AM). Dentre os veículos encomendados à encarroçadora gaúcha, 406 são do modelo Torino e 96 Viale Articulado.

Paulo Corso, diretor comercial da empresa, celebra o negócio, que faz parte dos planos da prefeitura da capital amazonense para modernizar o transporte público urbano, e ressalta a antiga parceria existente entre fabricante e a cidade. “Os modelos Torino e Viale proporcionam maior conforto e segurança para os usuários, além de menor custo operacional, superior valor de revenda e baixa manutenção, características fundamentais para os empresários do setor de transporte urbano de passageiros”, relata.

Os ônibus são dotados de itens de acessibilidade e foram adquiridos pelas empresas City, Coroado, Integração, Líder, Rondônia, São Pedro, Transtol, Vega e Via Verde.

O Viale Articulado, de chassi Volvo B12M, possui 21 metros de comprimento e pode transportar 62 passageiros sentados. Já o Torino, que pode ser escolhido em três tipos de chassis Volvo B270F, Mercedes-Benz OF1722 e Volkswagen 17230, possui 32 assentos.

Em ambos os modelos, a fabricante oferece itens como espaço reservado para cadeiras de rodas, com sistema de travamento, e poltrona destinada a gestantes, obesos e idosos. Os assentos possuem ainda pés recuados, para melhor circulação de passageiros, e revestimento de fácil limpeza.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Prefeitura de Belém quer implantar o sistema BRT na cidade

01/12/2011 - Liberal

Uma obra de R$ 400 milhões de reais que pode solucionar o problema diário de cerca de 600 mil pessoas em Belém

 Essa é a proposta de implantação do Bus Rapid Transit (BRT) em Belém, obra para a qual foi lançado ontem pela Prefeitura Municipal de Belém (PMB) um edital para uma licitação internacional, ou seja, empresas de todo o Brasil e do exterior podem concorrer e pleitear a execução da obra, que tem um cronograma de execução de 15 meses, caso seja realizada sem interrupções. O BRT é um sistema de ônibus de alta capacidade que provê um serviço rápido, confortável, eficiente e de qualidade, concebido para servir pelo menos 45 mil passageiros por hora.
 
Sistema BRT em Curitiba

Hoje existem em todo o mundo mais de 160 sistemas BRT operando ou em construção, por terem se tornado a melhor escolha para a mobilidade urbana em 23 países dos cinco continentes. Apesar da origem do BRT ser baseada em ônibus, o transporte tem pouco em comum com os sistemas tradicionais de ônibus. A maioria dos BRT’s implantados com sucesso, como em Curitiba (PA), opera com corredores exclusivos ou preferência para a circulação do transporte coletivo, embarques e desembarques rápidos, através de plataformas elevadas no mesmo nível dos veículos, entre outras vantagens.

O prefeito de Belém, Duciomar Costa, afirma que lançou a licitação após ter a garantia de parte dos recursos pelo Governo Federal. Ele também foi buscar informações e modelos de uso do BRT, e diz que para Belém essa é a melhor opção em relação, por exemplo, à construção de um metrô. "Muitas pessoas podem perguntar porque não um metrô, mas essa opção, por ser uma obra de alto impacto ambiental, só tem sido adotada por muitas cidades que realmente não possuem mais outras alternativas. No caso desse corredor da nossa capital, o BRT é perfeitamente viável e não apresenta impactos ambientais, sendo inclusive muito menos prejudicial ao meio ambiente que os ônibus tradicionais que hoje circulam ao longo da rodovia Augusto Montenegro até São Brás", ressalta o prefeito.

Secretaria de Meio Ambiente de Manaus emite licença para BRT

30/11/2011 - G1

A autorização é referente à construção civil do transporte público de passageiros e tem validade de um ano

A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Manaus (Semmas) emitiu licença para implantação do Bus Rapid Transit (BRT) em Manaus. A emissão foi divulgada no Diário Oficial do Município (DOM) neste sábado (26).

De acordo com informações do Ministério das Cidades, o sistema BRT integrará a Zona Leste ao Centro de Manaus e comporá o sistema de integração da capital para a Copa de 2014 com o monotrilho nos terminais de integração Largo da Matriz, no centro da cidade,  e Jorge Teixeira, Zona Leste, formando um “anel” de transporte público coletivo na capital amazonense. O sistema do BRT deve atingir uma extensão de 23 km.

Segundo informações do Portal da Transparência do Governo Federal, o valor de contrato do BRT é de R$ 5,30 milhões. Os projetos são iniciativas do projeto urbano da Prefeitura de Manaus.