terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Governo federal confirma que Manaus não terá BRT e nem monotrilho para a Copa

Governo federal confirma que Manaus não terá BRT e nem monotrilho para a Copa

21/12/2012 - D24am.com

A decisão deve ser publicada no Diário Oficial da União. A Matriz é o documento firmado por União, Estados e cidades-sede que traz as obras que devem ser executadas para o torneio.

Manaus - O governo federal confirmou que Manaus não terá nenhuma obra de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014, ao contrário do anunciado inicialmente. A decisão foi tomada durante reunião do Gecopa (Grupo Executivo da Copa) nesta quarta-feira, em Brasília. Foram retirados da Matriz de Responsabilidades as duas obras de mobilidade urbana previstas para a cidade. A Matriz é o documento firmado por União, Estados e cidades-sede que traz as obras que devem ser executadas para o torneio.

Em Manaus, foi retirado da Matriz o monotrilho, obra orçada em R$ 1,3 bilhão. De acordo com o último relatório do TCU (Tribunal de Contas da União), divulgado no início de novembro, o projeto ainda não havia saído do papel. Em Manaus, também foi retirado da matriz o corredor para tráfego exclusivo de ônibus, chamado BRT. A obra, de R$ 290 milhões, também não começou, de acordo com o último relatório do TCU.

A retirada é uma manobra dos governos estaduais para as obras não ficarem sem financiamento da União. As obras de mobilidade urbana nas 12 cidades-sede da Copa de 2014 que constam na Matriz de Responsabilidades possuem uma linha de crédito especial da Caixa Econômica Federal. A Matriz prevê que apenas recebam os recursos da Caixa obras que ficarão prontas até o início do Mundial.

Com a retirada da Matriz, o governo amazonense pode pedir outra linha de financiamento ao Ministério do Planejamento. De acordo com a pasta, as obras podem ser financiadas com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade.

De acordo com o governo do Amazonas, a União continuará a financiar, por meio do PAC, o monotrilho de Manaus, além de R$ 200 milhões dos R$ 290 milhões de custo do BRT na cidade.

Fonte: D24am.com

sábado, 8 de dezembro de 2012

Governo inicia contratação de consultoria internacional para o BRT da BR-316

Governo inicia contratação de consultoria internacional para o BRT da BR-316

05/12/2012 - Agência Pará

O diretor do NGTM, César Meira, ressalta que a melhoria do transporte metropolitano, para trazer comodidade à população, é prioridade do governo estadual

O Governo do Estado, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), publicou nesta terça-feira (4) o edital de pré-qualificação de empresa de consultoria/ consórcio que vai elaborar serviços técnicos especializados, relativos à elaboração de estudos e projetos executivos de infraestrutura física, modelo de gestão, plano operacional e de sistema de controle operacional do Corredor BR-316, além de gerenciamento geral e supervisão de obras do BRT (Bus Rapid Transit) Metropolitano, que integrará a Região Metropolitana de Belém. No total, o governo do Estado investirá mais de R$ 700 milhões até o final de 2015, apenas no setor de infraestrutura urbana, na RMB.

O contrato com a empresa vencedora da licitação, após os tramites no Brasil e no Japão, deverá ser assinado em maio de 2013. Por ser empréstimo externo, a concorrência é internacional e se destina a fazer uma pré-seleção de empresas consultoras para participação no processo licitatório, visando a elaboração dos projetos executivos de infraestrutura do BRT e estudos das linhas desse novo sistema, e ainda o gerenciamento das obras.

Além de jornais de circulação em Belém, por se tratar de uma licitação internacional o edital foi publicado no jornal Folha de São Paulo, no Diário Oficial da União e no jornal norte-americano Financial Times. O edital especifica as exigências que a contratada deve apresentar, tanto em termos de qualificação de pessoal, experiência, produtos e estrutura necessários para o desenvolvimento do trabalho.

"O Ação Metrópole é um projeto que irá solucionar a dificuldade que as pessoas têm em se deslocar entre os municípios da Região Metropolitana. O transporte é um serviço que as pessoas usam diariamente, por mais de uma vez, chegando até a quatro vezes, e levam muito tempo dentro de um ônibus. A proposta do "Ação Metrópole" é melhorar a condição que hoje existe, reduzindo o tempo que as pessoas gastam se deslocando e dando mais conforto e segurança nessas viagens. Com isso, as pessoas poderão utilizar o tempo ganho para ficar mais tempo com a família, resolver problemas pessoais ou para o lazer", ressalta a diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola.

Termo de Referência - Após a publicação, as empresas interessadas em participar do processo terão 45 dias para apresentar a documentação solicitada no Edital de Pré-Qualificação. Finalizada esta etapa, o NGTM trabalhará na licitação para contratar a consultoria, que será selecionada entre as classificadas na pré-qualificação. "Já estamos encaminhando à Jica (Agência Internacional do Japão), para análise e concordância desta, o Termo de Referência constante do Edital, o qual vai nortear a elaboração dos trabalhos. Este Termo será disponibilizado em português e inglês, contendo todos os serviços que devem ser desenvolvidos pela Consultoria Geral e os produtos que devem ser entregues pela mesma", explica a diretora executiva.

O prazo previsto para a prestação dos serviços da Consultoria Geral será de 41 meses. Os serviços deverão ser iniciados em até 10 dias a partir da data de emissão da Ordem de Serviço, pelo NGTM. O valor total estimado para a prestação dos serviços é de R$ 24.300.000,00 (vinte e quatro milhões e trezentos mil reais).

A vencedora, além de elaborar estudos e projetos, exercerá atividades de gerenciamento geral e de obras do Corredor BR-316. Assim, a empresa deverá estar organizada e apta para todas as tarefas técnicas e administrativas delegadas pelo NGTM, assegurando a execução do projeto nos termos contratados, além de ter condições plenas de alocar pessoal qualificado próprio em todos os níveis solicitados pelo governo, e adquirir os equipamentos necessários para o desenvolvimento das atividades.

Para o gerenciamento do projeto, a empresa vencedora deverá manter o fluxo de informações contínuo com o NGTM sobre o desenvolvimento dos estudos, projetos e obras. Em todas as etapas de execução, a empresa deverá, sempre que solicitada pelo Núcleo, providenciar assessoria e assistência técnica consultiva às obras. Outra atribuição será informar, periodicamente, e sempre que solicitada pelo NGTM, o andamento do projeto.

Integração - O BRT da Região Metropolitana de Belém será dotado de infraestrutura física composta por terminal de integração em Marituba e estação de integração em Ananindeua, instalações que permitirão a integração físico-tarifária entre linhas do serviço alimentador e troncal. O projeto contempla, ainda, viaduto de acesso ao terminal de integração; garagem de ônibus adjacente ao terminal de integração e, ao longo do KM-0 ao KM10 da Rodovia BR-316, canaleta exclusiva, com pontos de parada em plataforma nivelada com o piso do BRT, passarelas de acesso a essas paradas, além de ciclovia e calçadas. Com ônibus de 20 metros de comprimento, para 200 passageiros, o sistema elevará a capacidade do corredor da BR-316 de 24 mil passageiros/hora, nos momentos de pico, para 48 mil passageiros.

A RMB apresenta sérias dificuldades à mobilidade interna, decorrentes do aumento do fluxo, fruto do crescimento populacional e do alto incremento de veículos na frota, aliado à ausência de um sistema eficiente de transporte público. Para atender a essa demanda, o governo do Estado desenvolveu vários estudos, que resultaram na proposta de implantação de uma rede integrada de transporte público coletivo metropolitano, com adoção do BRT, denominada projeto Ação Metrópole.

O projeto de mobilidade urbana do governo do Estado é desenvolvido em parceria com a Jica desde 1990. Em agosto deste ano, por meio de parceria com o governo do Pará, a Jica também passou a ser financiadora do projeto. Com a implantação do Ação Metrópole, a RMB, composta pelos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, será integrada pelo transporte público.

Outro benefício do projeto Ação Metrópole é a redução da emissão de gás carbônico na natureza, com menos veículos circulando e a utilização de biocombustível. "O Ação Metrópole trará qualidade de vida para a população da RMB, pois vai além de um projeto de mobilidade urbana. E uma das prioridades do governo é o bem estar da população, por isso estamos desenvolvendo um projeto com seriedade e responsabilidade", disse o diretor geral do NGTM, Cesar Meira.


Texto:
Manuela Viana - Ação Metrópole
Fone: / (91) 8187-8209
Email: manuelaviana@agenciapara.com.br

Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano
Av. Gentil Bittencourt, 1539 Nazaré - Belém - Pará
Fone: (91) 3110-8450
Site: www.ngtm.com.br Email: contato.ngtm@gmail.com

Governo inicia contratação de consultoria internacional para o BRT da BR-316

05/12/2012 - Agência Pará

O diretor do NGTM, César Meira, ressalta que a melhoria do transporte metropolitano, para trazer comodidade à população, é prioridade do governo estadual

O Governo do Estado, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), publicou nesta terça-feira (4) o edital de pré-qualificação de empresa de consultoria/ consórcio que vai elaborar serviços técnicos especializados, relativos à elaboração de estudos e projetos executivos de infraestrutura física, modelo de gestão, plano operacional e de sistema de controle operacional do Corredor BR-316, além de gerenciamento geral e supervisão de obras do BRT (Bus Rapid Transit) Metropolitano, que integrará a Região Metropolitana de Belém. No total, o governo do Estado investirá mais de R$ 700 milhões até o final de 2015, apenas no setor de infraestrutura urbana, na RMB.

O contrato com a empresa vencedora da licitação, após os tramites no Brasil e no Japão, deverá ser assinado em maio de 2013. Por ser empréstimo externo, a concorrência é internacional e se destina a fazer uma pré-seleção de empresas consultoras para participação no processo licitatório, visando a elaboração dos projetos executivos de infraestrutura do BRT e estudos das linhas desse novo sistema, e ainda o gerenciamento das obras.

Além de jornais de circulação em Belém, por se tratar de uma licitação internacional o edital foi publicado no jornal Folha de São Paulo, no Diário Oficial da União e no jornal norte-americano Financial Times. O edital especifica as exigências que a contratada deve apresentar, tanto em termos de qualificação de pessoal, experiência, produtos e estrutura necessários para o desenvolvimento do trabalho.

"O Ação Metrópole é um projeto que irá solucionar a dificuldade que as pessoas têm em se deslocar entre os municípios da Região Metropolitana. O transporte é um serviço que as pessoas usam diariamente, por mais de uma vez, chegando até a quatro vezes, e levam muito tempo dentro de um ônibus. A proposta do "Ação Metrópole" é melhorar a condição que hoje existe, reduzindo o tempo que as pessoas gastam se deslocando e dando mais conforto e segurança nessas viagens. Com isso, as pessoas poderão utilizar o tempo ganho para ficar mais tempo com a família, resolver problemas pessoais ou para o lazer", ressalta a diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola.

Termo de Referência - Após a publicação, as empresas interessadas em participar do processo terão 45 dias para apresentar a documentação solicitada no Edital de Pré-Qualificação. Finalizada esta etapa, o NGTM trabalhará na licitação para contratar a consultoria, que será selecionada entre as classificadas na pré-qualificação. "Já estamos encaminhando à Jica (Agência Internacional do Japão), para análise e concordância desta, o Termo de Referência constante do Edital, o qual vai nortear a elaboração dos trabalhos. Este Termo será disponibilizado em português e inglês, contendo todos os serviços que devem ser desenvolvidos pela Consultoria Geral e os produtos que devem ser entregues pela mesma", explica a diretora executiva.

O prazo previsto para a prestação dos serviços da Consultoria Geral será de 41 meses. Os serviços deverão ser iniciados em até 10 dias a partir da data de emissão da Ordem de Serviço, pelo NGTM. O valor total estimado para a prestação dos serviços é de R$ 24.300.000,00 (vinte e quatro milhões e trezentos mil reais).

A vencedora, além de elaborar estudos e projetos, exercerá atividades de gerenciamento geral e de obras do Corredor BR-316. Assim, a empresa deverá estar organizada e apta para todas as tarefas técnicas e administrativas delegadas pelo NGTM, assegurando a execução do projeto nos termos contratados, além de ter condições plenas de alocar pessoal qualificado próprio em todos os níveis solicitados pelo governo, e adquirir os equipamentos necessários para o desenvolvimento das atividades.

Para o gerenciamento do projeto, a empresa vencedora deverá manter o fluxo de informações contínuo com o NGTM sobre o desenvolvimento dos estudos, projetos e obras. Em todas as etapas de execução, a empresa deverá, sempre que solicitada pelo Núcleo, providenciar assessoria e assistência técnica consultiva às obras. Outra atribuição será informar, periodicamente, e sempre que solicitada pelo NGTM, o andamento do projeto.

Integração - O BRT da Região Metropolitana de Belém será dotado de infraestrutura física composta por terminal de integração em Marituba e estação de integração em Ananindeua, instalações que permitirão a integração físico-tarifária entre linhas do serviço alimentador e troncal. O projeto contempla, ainda, viaduto de acesso ao terminal de integração; garagem de ônibus adjacente ao terminal de integração e, ao longo do KM-0 ao KM10 da Rodovia BR-316, canaleta exclusiva, com pontos de parada em plataforma nivelada com o piso do BRT, passarelas de acesso a essas paradas, além de ciclovia e calçadas. Com ônibus de 20 metros de comprimento, para 200 passageiros, o sistema elevará a capacidade do corredor da BR-316 de 24 mil passageiros/hora, nos momentos de pico, para 48 mil passageiros.

A RMB apresenta sérias dificuldades à mobilidade interna, decorrentes do aumento do fluxo, fruto do crescimento populacional e do alto incremento de veículos na frota, aliado à ausência de um sistema eficiente de transporte público. Para atender a essa demanda, o governo do Estado desenvolveu vários estudos, que resultaram na proposta de implantação de uma rede integrada de transporte público coletivo metropolitano, com adoção do BRT, denominada projeto Ação Metrópole.

O projeto de mobilidade urbana do governo do Estado é desenvolvido em parceria com a Jica desde 1990. Em agosto deste ano, por meio de parceria com o governo do Pará, a Jica também passou a ser financiadora do projeto. Com a implantação do Ação Metrópole, a RMB, composta pelos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, será integrada pelo transporte público.

Outro benefício do projeto Ação Metrópole é a redução da emissão de gás carbônico na natureza, com menos veículos circulando e a utilização de biocombustível. "O Ação Metrópole trará qualidade de vida para a população da RMB, pois vai além de um projeto de mobilidade urbana. E uma das prioridades do governo é o bem estar da população, por isso estamos desenvolvendo um projeto com seriedade e responsabilidade", disse o diretor geral do NGTM, Cesar Meira.


Texto:
Manuela Viana - Ação Metrópole
Fone: / (91) 8187-8209
Email: manuelaviana@agenciapara.com.br

Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano
Av. Gentil Bittencourt, 1539 Nazaré - Belém - Pará
Fone: (91) 3110-8450
Site: www.ngtm.com.br Email: contato.ngtm@gmail.com

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Cronograma de entrega do BRT de Belém é alterado

05/12/2012 - Diário Online

Após várias reclamações sobre a demora na finalização das obras do BRT a Unidade de Gerenciamento de Projetos Especiais (UGPE/Belém), informa que neste momento o trabalho está concentrado na área do Entroncamento, na construção dos elevados.

Foto: Paulo Lisboa
Em nota a comunicação do UGPE afirma que na Avenida Almirante Barroso só faltam as telas de proteção por isso o ritmo das obras é menos intenso. "no trecho que compreende o Entroncamento - São Brás está faltando basicamente as telas de proteção da cicolovia e os serviços de acabamento no corredor do BRT, que está sendo finalizando, por isso o ritmo da obras no local estão menores. A obra está mais concentrada no Entroncamento, na construção dos elevados" responde a nota.

Cronograma

O cronograma de entrega das obras foi modificado. Na área entre a Avenida Almirante Barrodo até o Entroncamento a previsão é para o 1º semestre do ano que vem. Já até Icoaraci a entrega deve ficar para o final de 2013. "Em função de alguns transtornos, como por exemplo, a adutora no Entroncamento, nós tivemos que readequar o cronograma. A previsão para entregar o trecho do Entroncamento e Almirante Barroso é até o primeiro semestre de 2013", afirma.

Engenheiros tiram dúvidas da comunidade escolar sobre o BRT

A partir desta terça-feira, dia 4 de dezembro, as escolas públicas estaduais e municipais localizadas ao longo da Avenida Almirante Barroso começam a receber uma série de palestras sobre a implantação do BRT, em Belém. O objetivo é esclarecer as dúvidas da comunidade escolar sobre o novo sistema de transporte que está sendo implantado em nossa cidade.

Mais Notícias do Pará
Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

Nessa primeira etapa as palestras acontecem em dois períodos: pela manhã, às 9 horas, e à tarde, a partir das 16 horas, nas escolas da Almirante Barroso, onde as obras do BRT estão em fase de conclusão. Durante o bate papo com os engenheiros Régis Victor Barata, da Construtora Andrade Gutierrez, que realiza a obra, e Rômulo Rocha, da Prefeitura Municipal de Belém (PMB), estudantes, professores e demais funcionários das escolas vão pode tirar dúvidas sobre o funcionamento na avenida após a implantação do BRT. Como, por exemplo, onde e como atravessar a via, pegar o ônibus e utilizar as estações.

Além do bate papo com os engenheiros, os estudantes também vão receber uma cartilha ilustrada, que explica de maneira simples o funcionamento do BRT. Ao todo, 10 escolas serão visitadas nessa primeira fase do projeto, voltado para estudantes do ensino fundamental, médio e educação infantil.

Informações: Diário Online




Enviado via iPhone

BRT vai retirar 1.100 ônibus de avenidas em Belém

19/11/2012 - Diário do Pará

A Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) decidiu pela retirada de 1.100 ônibus das avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro, por onde deve trafegar exclusivamente o ônibus de trânsito rápido, também conhecido por BRT - cuja obra caminha sem data marcada para conclusão. O cálculo mais otimista da prefeitura prevê a inauguração para o final de 2013.

Os ônibus atuais que trafegam pelas duas avenidas serão substituídos, inicialmente, por 50 ônibus articulados, com capacidade individual para 170 passageiros, e por outros 50 biarticulados, onde cabem 250. Esses veículos devem transportar cerca de 600 mil passageiros diariamente, ou 45 mil a cada 60 minutos, segundo cálculos da própria Ctbel, a uma velocidade de 60 km por hora. O BRT terá paradas climatizadas a cada 700 metros e sistema de bilhete antecipado.


Nenhum técnico do governo municipal, porém, sabe explicar o que irá acontecer com os 1.100 ônibus que forem retirados do tráfego na Augusto Montenegro e Almirante Barroso e nem quais as novas rotas que irão fazer para conduzir os passageiros que, saídos do BRT, subirem nos coletivos para alcançar o centro da cidade.


A CTBel prevê que 20% das linhas atuais deixarão de circular na cidade, mas anuncia que novas licitações serão realizadas para linhas que pretenderem prestar serviço à população, atuando como alimentadoras do BRT nos bairros da região metropolitana. Embora se digam "tranquilos", os donos de ônibus cobram da prefeitura uma definição sobre o destino de suas linhas. O BRT é um tipo de transporte público moderno e necessário para o povo de baixa renda.

Com informações: Diário do Pará


Enviado via iPhone

Em 90 dias terminal de ônibus será inaugurado na Ponta Negra em Manaus

19/11/2012 - A Crítica

O terminal de passageiros de ônibus que será construído na Ponta Negra, Zona Oeste, deverá ser inaugurado em 90 dias, dois meses após o atual prefeito, Amazonino Mendes, deixar o cargo. Ele será adequado para atender ao grande fluxo de pessoas que destinam àquela área nos finais de semana e feriados. A Comissão de Licitação da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) concluiu o processo licitatório e a obra foi orçada em R$137.556.

De acordo com a assessoria de comunicação da Seminf, o novo terminal de passageiros será construído no final da avenida Coronel Teixeira, próximo à Marina do Davi. Pelo local circulam milhares de pessoas principalmente nos finais de semana. É de lá que saem as lanchas de passageiros com destino às praias e às comunidades próximas à capital amazonense. A construção do terminal pode reduzir o grande número de veículos que ficam estacionados nas proximidades da Marina do Davi. Além de tomarem espaço, os carros ficam durante muitas horas desprovidos de segurança.

A obra

A expectativa é que os condutores que forem viajar deixem seus veículos nos estacionamentos em frente ao balneário da Ponta Negra e optem pelo transporte coletivo para chegar ao porto de embarque da Marina do Davi, considerando que se trata de um pequeno trajeto. A obra terá banheiros, feminino e masculino, uma área coberta para breve descanso dos motoristas e cobradores, além de um pequeno estacionamento para os coletivos.

Nos dias de grande fluxo de pedestres que procuram a praia da Ponta Negra ou por conta de eventos artísticos no anfiteatro, a linha reduzida de coletivos provoca longas filas de espera no primeiro ponto de ônibus que funciona atualmente no local, no sentido bairro-centro. Em dias menos movimentados é naquele local que os ônibus improvisam o único terminal do balneário.

Fonte: A Crítica



Enviado via iPhone

Palmas: Estação Apinajé ganha guichê com banheiro para funcionários e motoristas

23/11/2012 - O Coletivo

Depois de inúmeras reclamações, foi inaugurado na segunda-feira passada, na Estação Apinajé, um novo guichê de recarga de bilhete eletrônico e também um banheiro individual para os motoristas e funcionários. Porém, mais uma vez a população que por ali transita diariamente não obteve a sua principal reivindicação atendida: um banheiro para o uso de todos.

De acordo com o motorista Flávio Batista, antes de inaugurar o novo guichê, eles utilizavam o banheiro dos estabelecimentos que se encontram ali por perto da estação ou então faziam suas necessidades atrás dos ônibus. "Antes nós íamos no Sesi utilizar o banheiro de lá, ou então quando estávamos com muita pressa, íamos atrás dos ônibus mesmo. Agora facilitou por que fica mais rápido e o banheiro é individual, disse.

Para o estudante Frederico Gonçalves é uma falta de respeito com a população. "Isso não é justo, é uma falta de respeito com nós que passamos por aqui todos os dias e as vezes esperamos até meia hora para pegar um ônibus. Tem que ser construído um banheiro para que todas as pessoas possam utilizar", pontuou.

A falta de estrutura física das estações sempre foi alvo de reclamações da população palmense que não possui um local adequado para a espera dos ônibus. A Seturb resolveu o problema apenas dos seus funcionários e de alguns motoristas construindo um novo guichê, mas e a população, a maior prejudicada, quando terá seus direitos atendidos? Quando será que irão poder desfrutar do transporte público com maior comodidade, já que pagam uma tarifa tão cara?Cadê as melhorias anunciadas na ocasião do aumento da tarifa?

O jornal O Coletivo entrou em contato com o presidente do Seturb, José Antônio Júnior, o Toninho, para obter maiores informações e saber se nas outras estações também serão construídos novos guichês, mas não obteve nenhum retorno.

Novo Guichê

O novo guichê possui uma estrutura de blindagem que possibilita maior segurança e comodidade aos funcionários que recarregam os cartões.

Fonte: O Coletivo



Enviado via iPhone

domingo, 28 de outubro de 2012

Obra do terminal de ônibus de Porto Velho continua parada

24/10/2012 - G1

Mais de nove meses após a retirada de comerciantes da Rua Euclides da Cunha, no centro de Porto Velho, para as obras do terminal de transporte público, a construção ainda não foi iniciada. Os comerciantes foram remanejados para um shopping popular na mesma região, mas reclamam do baixo movimento. Os usuários de coletivos continuam sem abrigos nas paradas de ônibus no local.

Há cerca de quatro meses, a Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (Semtran) deu o prazo máximo de 90 dias para finalização do processo licitatório e início das obras, responsabilizando, ainda, o Consórcio Guaporé, formado pelas empresas de transporte coletivos da capital, pelo atraso. O consórcio, por sua vez, passou a responsabilidade para a Semtran.

A proprietária de um salão de beleza, Francisca das Chagas, possuía um ponto na Rua Euclides da Cunha, na parte que foi desocupada pela prefeitura e reclama do baixo movimento no shopping popular, para onde foi transferida. "A rua foi vedada, nos três primeiros meses o movimento caiu 80%, não dava pra tirar nem o do aluguel", afirma a cabeleireira.

No local desocupado, motoristas utilizam o espaço como estacionamento e não há nenhum sinal do início da obra. "Até hoje não vimos descarregar um saco de cimento aí, tá tudo parado, acumulando lixo", reclama Francisca.

A comerciante Delicia Vidal, que também possuía um ponto na rua que foi desocupada e reclama da falta de abrigos nas paradas de ônibus na região. "Os [abrigos] que tem, não protegem nada, nem sol, nem chuva", reclama Vidal, completando que, com a construção do terminal acreditava que a situação do transporte melhoraria, "mas até agora só ficou na promessa", finaliza.


Enviado via iPhone

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Ônibus moderno do BRT é testado em Belém

30/09/2012 - G1 PA

Foi testado neste sábado (29) em Belém, o ônibus do BRT (Bus Rapid Transit). O veículo é todo refrigerado, tem internet, câmeras para auxiliar o motorista e até um bicicletário.

A capacidade máxima do veículo articulado é de 180 pessoas. Inicialmente o BRT prevê um total de 48 ônibus. Quando concluído, o projeto vai ligar Icoaraci até o mercado de São Brás.

O objetivo do sistema BRT é reduzir o tempo de viagem em até 60% e desafogar o trânsito de Belém nas avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro. O BRT começa a ser implantado no mês de outubro.

O projeto está orçado em cerca de R$ 400 milhões. As obras começaram em janeiro de 2012 na avenida Almirante Barroso, que ganhou uma via expressa por onde os ônibus do BRT vão passar. As obras na avenida Augusto Montenegro estão previstas para serem entregues até o final de 2013.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Terminais de ônibus de Manaus deverão ser revitalizados, diz SMTU

12/09/2012 - G1

Segundo órgão, principais mudanças irão acontecer nos Terminais 3, 4 e 5. 'Uma reforma profunda será feira no Terminal 1', diz superintendente adjunto.
 
Terminal de ônibus localizado no centro de Manaus (Foto: Tiago Melo/G1 AM)
Do G1 AM
De acordo com a SMTU, as principais mudanças irão acontecer nos Terminais 3, 4 e 5, onde será necessária uma revitalização e recuperação das passarelas que estão ligadas as obras do Monotrilho e BRT, que deverão atender o design previsto para o projeto. 

Ainda segundo o órgão, o Terminal 2, localizado no bairro Cachoeirinha, Zona Sul da cidade, necessita de um trabalho mais profundo pois a área não comporta as linhas atendidas e, com isso, será realizada uma realocação nas adjacências do local. Além disso, um arranjo interno de pistas deverá favorecer o acesso rápido e seguro aos terminais de ônibus.
Para o superintendente adjunto, Antônio Norte Filho, no Terminal 1 será feita uma reforma profunda e não a retirada do Centro. "Retirar o T1 da Avenida Constantino Nery seria muito prejudicial à mobilidade urbana, visto que este é um dos pontos mais importantes de integração física do transporte urbano de Manaus", relatou.
O superintendente também afirmou que o Terminal 1 irá passar por uma readequação viária no trecho entre as ruas Ayrão e Leonardo Malcher, com o objetivo de buscar novas alternativas de melhoria na mobilidade urbana e democratizar o acesso ao espaço.“O estudo feito é uma radiografia dos equipamentos públicos expostos para a sociedade, afinal, a integração dos meios de transporte público reveste-se de uma importância política, pois não adianta somente inaugurar, é preciso manutenção”, explicou.
Já a analista de transportes urbanos da SMTU, Ivanilde Oliveira, falou sobre os principais problemas encontrados durante o estudo. “Em todos os terminais foram constatadas as mesmas situações: depredação, problemas no pavimento, falta de sinalização e ocupação de espaço pelos camelôs que tiram o conforto da população”, completou. 

Para ler mais notícias do G1 Amazonas, clique em g1.globo.com/amazonas . Siga também o G1 Amazonas no Twitter e por RSS .

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

População está otimista com a implantação do BRT na Grande Belém

06/09/2012 - Agência Pará de Notícias

O primeiro passo para que o projeto saia do papel foi dado com a assinatura do contrato de empréstimo, no valor de R$ 320 milhões

O projeto Ação Metrópole, do Governo do Estado, que integrará os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, com a implantação do Bus Rapid Transit (BRT) do Entroncamento, na saída da capital, até Marituba, na Grande Belém, foi recebido de forma positiva pela população. O primeiro passo para que o projeto saia do papel foi dado com a assinatura do contrato de empréstimo, no valor de R$ 320 milhões, com a Jica (Agência Internacional do Japão), nesta terça-feira (4), em Tóquio, no Japão, pelo governador Simão Jatene.
 
Nas ruas, quem dependente diariamente do transporte urbano está otimista com a novidade. O estudante Ramael Soares, por exemplo, conta que precisa utilizar por dia, quatro ônibus para chegar a seu local de trabalho. “Hoje em dia está muito complicado depender de ônibus. Eu moro em Ananindeua e trabalho no centro. Mesmo pegando quatro ônibus por dia, eu ainda chego atrasado no emprego. Com certeza este projeto vai melhorar a vida de muita gente”.
 
Moradora do município de Marituba, a dona de casa Carmen Souza leva em média duas horas e meia para chegar a um hospital público na área do Centro de Belém. “Como estou fazendo um tratamento tenho que fazer essa viagem três vezes por semana. É muito complicado e às vezes da vontade de desistir. Mas eu estou com uma esperança de que realmente o BRT irá solucionar esse problema. É bom ver que as coisas já estão começando a acontecer mesmo depois de tanto tempo”, ressalta.
 
O BRT será operado por ônibus articulados com quatro portas no lado esquerdo, trafegando em canaletas na rodovia BR-316 e na avenida Augusto Montenegro, em faixas exclusivas na avenida Almirante Barroso e faixas preferenciais a partir de São Brás até o Centro de Belém e no Centro de Icoaraci. Para agilidade no embarque/desembarque e acesso universal, a infraestrutura contará com: dois terminais de integração, um em Marituba e outro em Icoaraci; três estações de integração, duas no corredor Augusto Montenegro, denominadas Tapanã e Mangueirão e uma no corredor BR-316, denominada Águas Lindas; além de garagens (Marituba e Icoaraci) e os pontos de parada cobertos onde será realizado o pagamento antecipado da tarifa, com plataforma no mesmo nível do piso do ônibus.
 
O governo do Estado desenvolve o Ação Metrópole em parceria com a Jica desde 1990 e, a partir de agora, a agência também será a financiadora do projeto. O sistema BRT permite em sua totalidade o transporte de 40 a 45 mil passageiros nas horas de pico. O sistema atual, na Almirante Barroso, tem a capacidade de tráfego para somente 11 mil no horário de pico.

BRT em Belém começa a ser operado em outubro

04/09/2012 - O Liberal

O sistema BRT (sigla em inglês para Bus Rapid Transit ou trânsito rápido em ônibus) deve começar a operar, de forma experimental, no início do mês que vem, na avenida Almirante Barroso, uma das linhas troncais. Com essa etapa experimental, as linhas de ônibus que existem atualmente na via ainda não deixarão de circular totalmente (isso acontecerá gradativamente) e parte delas será remanejada para outras vias, como as avenidas João Paulo II, Romulo Maiorana, Duque de Caxias, Marquês de Herval e Pedro Miranda (que terá o corredor central exclusivo para ônibus).
  Até lá, acredita-se que os elevados do Entroncamento, que vão ligar a Almirante Barroso com a rodovia Augusto Montenegro (segunda linha troncal), já estarão prontos, acabando com parte da lentidão do trânsito que tem atormentado a população. Também nessa etapa, os ônibus vindos de outros municípios da Região Metropolitana de Belém (RMB) já não vão mais circular dentro da cidade e o sistema de Bilhete Único (BU) já deverá estar implantado. A conclusão da Augusto Montenegro está prevista apenas para o final de 2013.
 A gerente do programa da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), Suely Sawaki Pinheiro, reiterou que os cruzamentos da Almirante Barroso e da Augusto Montenegro não serão fechados, uma dúvida que não sai da cabeça da população. Os condutores vão continuar cruzando normalmente essas vias pelas transversais. O único cruzamento fechado definitivamente foi o da travessa Perebebuí com a Almirante Barroso. Os demais estão apenas em obras, mas serão liberados integralmente. Um trecho já terá em funcionamento o sistema de semáforos inteligentes, controlados por uma central de operações e, futuramente, todos os cruzamentos das linhas troncais serão com esse sistema. As ciclovias ficam no centro da linhas troncais.
 'Todas essas mudanças serão informadas em campanhas massivas aos usuários e condutores para quem entendam como usar o sistema e o que muda. Quanto aos ônibus, a Ctbel (Companhia de Transportes do Município de Belém) deverá fazer um estudo para determinar como será a readequação dessas linhas e deverá ser concluído a partir dessa semana. A aplicação do BU e da integração também será com a Ctbel', explicou Suely.
 A estimativa é de que sejam 23 paradas, sendo oito na Almirante Barroso e 15 na Augusto Montenegro, com mais três estações, sendo uma em São Brás, uma no Entroncamento e uma no início da Augusto Montenegro no distrito de Icoaraci. Atualmente há 36 paradas por sentido na Augusto Montenegro e mais 14 na Almirante Barroso, mas muitas estão com baixa demanda ou não respeitam a distância mínima de 400 a 500 metros entre uma parada e outra. Porém, esse número pode aumentar. Estimativas informais da Ctbel apontavam a necessidade de duas paradas a mais.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Belém terá BRT financiado pelo Japão

31/08/2012 - Diário do Pará

Na próxima terça (4), o governador do Pará, Simão Jatene, vai a Tóquio para assinar o contrato de empréstimo internacional que garante o projeto Ação Metrópole

A viagem garante ao Estado o recurso da ordem de R$ 320 milhões para financiamento da obra.
 
O transporte é uma questão de integração metropolitana, que o projeto de mobilidade Ação Metrópole vai assegurar, graças à assinatura do contrato com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). “Vamos ao Japão em busca de uma solução para a mobilidade dentro da RMB, para que o trabalhador tenha um transporte de qualidade que integra vários corredores e linhas de Marituba a Belém”, afirma Simão Jatene.
 
O projeto integrará os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, com a implantação do Bus Rapid Transit (BRT) do Entroncamento, na saída da capital, até Marituba, na Grande Belém. O governo do Estado desenvolve o Ação Metrópole em parceria com a Jica desde 1990; a partir de agora, a agência também será a financiadora do projeto.
 
A comitiva governamental permanece até o dia 8 no Japão. Na ocasião, os diretores do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), responsável pela implementação do Ação Metrópole, também vão fechar, junto aos japoneses, a contratação internacional da consultoria geral para o projeto de mobilidade urbana, que implantará o Sistema BRT na RMB.

Infraestrutura

O Ação Metrópole foi iniciado em 1990, quando a capacidade de mobilidade urbana de Belém começou a apresentar sinais de saturação. Para solucionar o problema, o governo do Estado desenvolveu estudos que resultaram na proposta de implantação de uma rede integrada de transporte público coletivo, o BRT, em uma nova infraestrutura viária, com vias alternativas ao tráfego, implantação das obras dos corredores e a gestão consorciada desse sistema.
 
“Este é um grande momento para o Estado, pois o Ação Metrópole vai muito além de um projeto de mobilidade. Ele trará qualidade de vida para as pessoas, especialmente aquelas que dependem do transporte público, pois reduzirá o tempo de deslocamento em 50%. Isso quer dizer que, saindo do ponto mais extremo da RMB, que é Marituba, as pessoas vão poder chegar até o centro da cidade em 40 minutos”, explica.

Sistema

O Ação Metrópole promoverá a integração física de toda a RMB. Assim, os embarques e desembarques serão feitos dentro de estações de integração, permitindo o deslocamento com mais conforto e rapidez e apenas uma tarifa, que será definida de acordo com os padrões econômicos da população.

Sai empresa vencedora do pregão do BRT Belém

27/08/2012 - O Liberal

A empresa San Marino Neobus fornecerá 50 veículos em 2 lotes 

A Prefeitura Municipal de Belém (PMB) declarou ontem a empresa San Marino Ônibus e Implementos LTDA como a vencedora do pregão nº63/2012 que trata da compra de ônibus articulados e biarticulados para o projeto BRT (Bus Rapid Transit). Segundo a prefeitura, a San Marino Neobus cumpriu todas as exigências previstas no edital. A próxima etapa será a homologação do resultado pela diretora-superintendente da Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel), Ellen Margareth De Souza. 

A San Marino Neobus fornecerá 50 veículos em dois lotes. Os ônibus articulados contam com dois vagões e lotação máxima de 170 pessoas, já o biarticulado possui três vagões e capacidade para até 270 passageiros. O primeiro lote de compra está orçamentado em R$ 849 mil, e o segundo em R$ 1.373.000. O processo foi concluído depois de três adiamentos, um resultado inconcluso e um recurso protocolado pela empresa Comil Ônibus S.A. que contestou o resultado. 

A prefeitura rejeitou o recurso protocolado pela Comil Ônibus, considerada inabilitada para participar do pregão. Segundo nota da PMB, a empresa em questão "apresentou o projeto de compra para ônibus urbano e não específico para o BRT". A nota informa ainda que, após decidir o recurso, a Comissão Permanente de Licitação (CPL) deu por encerrado o processo. 

A previsão da Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) é iniciar as operações ainda no final do mês de setembro ou, no máximo, na primeira semana de outubro. O projeto tem o investimento total de R$ 470 milhões de reais e visa melhorar o transporte público da população com faixas exclusivas para os ônibus. Segundo estimativas da PMB, serão transportados diariamente cerca de 600 mil pessoas pelas avenidas Augusto Montenegro e Almirante Barroso

sábado, 18 de agosto de 2012

Sem passageiros, ônibus executivos são colocados à venda em Manaus

18/08/2012 - D24am

Com a queda de 60% no número de passageiros do transporte executivo após o aumento da tarifa para R$ 4,20 e mudança de rota no Centro de Manaus, muitos proprietários de micro-ônibus estão colocando os veículos à venda. Para o motorista Francisco Bezerra, da Cooperativa dos Condutores Profissionais Autônomos de Manaus (Coocpam), que roda pela cidade anunciando a venda de um micro-ônibus, a situação é preocupante. Ele contou que dispensou o cobrador recentemente por não ter condições de pagá-lo. “Antes meu faturamento diário chegava a R$ 1 mil, hoje não consigo fazer nem R$ 300 para pagar o cobrador, custear as despesas do diesel e alimentação”, disse. 

Sobre a concessão do veículo junto à Coocpam, que permite que o cooperado possa circular pela cidade, Bezerra afirmou que fará uma espécie de transferência de documentos para o futuro comprador do veículo. “Se ele não quiser utilizar o micro-ônibus para fazer outros serviços posso, sim, disponibilizar a minha concessão para que ele continue atuando com o transporte coletivo”, garantiu. 

Atualmente, o sistema de transporte executivo possui 265 micro-ônibus, em 37 rotas que trafegam em todas as zonas de Manaus. De acordo com o superintendente do Sistema Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Wesley Aguiar, um levantamento feito com base em estudos encomendados pela Prefeitura de Manaus mostrou que, apenas, 5% do total da frota convencional deveria fazer rotas em Manaus, o que seria, hoje, em torno de 80 micro-ônibus executivos. 

A SMTU afirma que a queda de passageiros está ligada ao ‘inchaço’ do sistema e à renovação da frota dos ônibus convencionais.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Palmas: Eixão Expresso diminui lotação em horários de pico, dizem usuários

24/07/2012 - O Coletivo

A criação da linha Eixão Expresso, que percorre a região centro-sul de Palmas a cada dez minutos nos horários de pico, amenizou o problema enfrentado pelos usuários. A linha segue o mesmo itinerário do Eixão, mas para somente nas estações.

Para saber como está a realidade dos moradores da região sul da capital em relação ao transporte coletivo, a reportagem do O Coletivo esteve na Estação Xerente, no Aureny III. Ao menos no período em que a reportagem esteve presente, entre às 6h e 7h30, considerado horário de pico - não houve superlotação. "O Eixão Expresso não é perfeito, mas com certeza melhorou muito para nós", diz a comerciária Eucilene Cardoso.

O sentimento dos usuários em geral parece semelhante ao de Eucilene. Alguns, porém, reclamam do tempo que os ônibus desta linha permanecem nos terminais. "O ideal seria aumentar a quantidade de ônibus expressos. Isso sim resolveria o problema", lamenta a dona de casa, Francisca Dias.

sábado, 14 de julho de 2012

Edital prevê a compra de ônibus do BRT em Belém

13/07/2012 - O Liberal

A Companhia de Transportes do Município de Belém (Ctbel) deu mais um passo para o avanço da implementação do sistema de Transporte Rápido por Ônibus (cuja sigla, em inglês, é BRT, Bus Rapid Transit). Nesta semana foi lançado o edital que autoriza a realização do pregão eletrônico nº 063/2012 para a aquisição de veículos tipos ônibus articulado e biarticulado para transporte coletivo de passageiros do sistema urbano para no próximo dia 20, às 9 horas, no auditório da Comissão Permanente de Licitação, à avenida Nazaré, 361, no bairro de Nazaré.


De acordo com o edital, podem participar do pregão os interessados que atenderem a todas as exigências, inclusive quanto à documentação que consta no edital e seus anexos, e pessoas jurídicas sob a condição de microempresa e empresa de pequeno porte, para efeito do tratamento diferenciado previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, e alterações posteriores.

Entretanto, não podem concorrer direta ou indiretamente na licitação empresas sob falência ou recuperação judicial; suspensas de licitar na esfera da administração municipal; declaradas inidôneas ou que estejam cumprindo sanções aplicadas pela Prefeitura de Belém ou qualquer órgão da administração pública direta ou indireta federal, estadual ou municipal e servidor ou dirigente do órgão contratante, bem como, o responsável pela licitação.

O edital determina ainda que os ônibus deverão ser entregues de forma parcelada, sendo a primeira com até 20% do quantitativo total em até 60 dias após assinatura do contrato e emissão da nota de empenho, e as demais, conforme solicitação do órgão.

Além disso, que a quantidade dos veículos (ônibus) a serem entregues estará sujeita a variação, conforme as necessidades da administração pública e a disponibilidade de recursos ou preços de oferta, por meio de termo aditivo, obedecido os limites legais. O edital informa também que o prazo contratual será de até 12 meses, a contar da data de sua assinatura.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Senado aprova empréstimo para BRT da Região Metropolitana do Pará

12/07/2012 - Agência Pará de Notícias

Recurso de R$ 320 milhões será usado na implantação do sistema de transporte rápido, o BRT, trazendo melhorias ao trânsito na Grande Belém


O empréstimo de R$ 320 milhões que o Estado do Pará receberá do Governo do Japão foi aprovado nesta terça-feira, 10, no Senado Federal, em Brasília. Com a aprovação, o governador Simão Jatene deverá assinar neste semestre o acordo com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), para a implantação do sistema de transporte rápido metropolitano, o BRT (Bus Rapid Transit), que interligará o Entroncamento, na saída da capital, até o município de Marituba, na Grande Belém. Por se tratar de um empréstimo internacional, o acordo dependia da aprovação do Senado Federal.
 
O diretor do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), César Meira, afirma que a aprovação deste empréstimo é um momento importante para o Governo do Estado. “Aprovação desses recursos no Senado Federal finaliza todo o processo. É um momento muito importante para o Pará, que já cumpriu todos os trâmites legais com o Governo Federal e com o governo japonês. A partir disto, o governador Jatene deverá firmar o contrato com a Jica na primeira semana de setembro, conforme foi previamente agendado”, adianta.
 
Na articulação da aprovação, o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) solicitou ao presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), senador Delcídio Amaral (PT-MT) que a proposta fosse votada ainda neste primeiro semestre, já que a mensagem de autorização do empréstimo foi encaminhada pela Presidência da República apenas no início de julho.
 
O relator da mensagem foi o senador paulista Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), que deu parecer pela aprovação do empréstimo. O Regimento Interno do Senado não permite que o relator seja um parlamentar do mesmo Estado. Após a votação, o Senador Flexa Ribeiro apresentou pedido de urgência para a tramitação, já que a mensagem deve cumprir o rito do regimento interno do Senado e ser lida em plenário. Com a urgência aprovada, este rito formal deverá ser cumprido já na próxima sessão da Casa. Após esta etapa, a formalização será feita junto ao Ministério da Fazenda e então o Estado poderá buscar a liberação dos recursos.
 
Projeto
A partir da assinatura do acordo com a Jica, o Governo do Estado do governo receberá do governo japonês os recursos para iniciar as obras de implantação do BRT Metropolitano em 2014, quando já estará concluído o prolongamento da avenida João Paulo II até o município de Ananindeua. César Meira explica que o financiamento já está na etapa final, que antecede a assinatura do acordo.
 
Segundo ele, enquanto os recursos ainda não são liberados, o NGTM faz estudos na área que será atendida pelo novo sistema de transporte, avaliando o impacto que terá no fluxo de passageiros, bem como no fluxo de veículos. “Estes estudos fazem parte do gerenciamento do transporte de toda a Região Metropolitana da capital”.
 
Durante a sessão que aprovou o empréstimo no Senado Federal, Flexa Ribeiro também destacou a importância do novo sistema de transporte metropolitano para a população que vive e trabalha nesta região do Estado. “O projeto vai ajudar a resolver o problema da mobilidade, que infelizmente é comum em todas capitais do País. O empréstimo só foi possível graças ao esforço do Governo do Estado em equilibrar as contas e realizar uma gestão eficiente. As contas equilibradas permitem a contrapartida oferecida pelo Estado, para garantir a chegada dos investimentos”, afirmou Flexa Ribeiro durante a sessão da CAE.
 
*Com informações de Daniel Nardin, da Assessoria de Comunicação do Senador Flexa Ribeiro

Em Manaus, Novos ônibus e velhas plataformas, projeto vai reformar corredor do Expresso

11/07/2012 - Em Tempo

Por determinação do prefeito Amazonino Mendes (PDT), as 42 plataformas centrais do corredor do Expresso serão revitalizadas para criar um ambiente confortável, com vidro temperado, sistema de TV e lanchonete. O anúncio foi feito ontem ao EM TEMPO, pelo superintendente municipal de Transportes Urbanos, o ex-corregedor e delegado da Polícia Federal (PF) Wesley Aguiar, que assumiu o cargo em julho, com o compromisso de trabalhar para moralizar o órgão e, consequentemente, o sistema de transportes coletivos.

Foto: Diego Jonata

De acordo com o superintendente da SMTU, o prefeito Amazonino Mendes demorou muito a tomar uma decisão política, porque ainda não havia um consenso entre o governo do Estado e a prefeitura sobre os projetos de mobilidade propostos para a Copa de 2014. Na discussão, dois modos de transporte coletivo foram colocados no epicentro do debate sobre o que seria melhor para Manaus: o Bus Rapid Transit (BRT) ou o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Venceu o BRT, sistema genuinamente brasileiro criado pelo arquiteto e urbanista Jaime Lerner, ex-prefeito de Curitiba, inspirado na qualidade, na eficiência, na rapidez e segurança do metrô. Basicamente, o BRT é um sistema de ônibus biarticulados que rodam em corredores exclusivos”. “Daí porque não é necessário colocar abaixo as plataformas do Expresso. Pelo menos as bases de concreto, que ainda estão inteiras, serão adaptadas ao novo projeto, haja vista que os últimos veículos articulados e biarticulados, comprados pela prefeitura, se adaptam às antigas estações”, explica Wesley Aguiar, completando que são veículos de 19 metros, 21 metros e 28 metros, sanfonados, perfeitamente adaptados ao BRT.

“A frota já existe, precisamos apenas revitalizar as plataformas, fazer algumas adaptações e iniciar o treinamento das equipes que vão operar o sistema”, informa o superintendente, advertindo que é preciso ficar bem claro que a prefeitura não vai reativar o Expresso já que “este é um sistema falido”. “Vamos, sim, implantar o BLT nos moldes do que foi implantado em Curitiba e Goiânia. O que feito em Manaus sequer foi concluído, ou criado os corredores exclusivos”, garante Wesley.

domingo, 8 de julho de 2012

Estado recebe recursos do PAC para prolongar Avenida João Paulo II

25/04/2012 - Agência Pará

A presidenta Dilma Rousseff reuniu autoridades em Brasília para divulgar a liberação de recursos do PAC Mobilidade, que contemplará 51 municípios
 
O Pará foi um dos estados incluídos no programa PAC Mobilidade Urbana Grande Cidades. A novidade foi dada pela presidente Dilma Rousseff, durante uma cerimônia do Palácio do Planalto. O projeto trará 214 milhões de reais em recursos para a conclusão do prolongamento da Avenida João Paulo II.

O governo do Pará investirá R$ 214 milhões, dos quais R$ 80 milhões em recursos da União, para concluir o prolongamento da Avenida João Paulo II até a Rodovia Mário Covas. O repasse foi anunciado nesta terça-feira (24) pela presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, durante a cerimônia de anúncio dos 51 municípios, em 18 Estados, contemplados com os investimentos de R$ 32 bilhões do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade Grandes Cidades.

Segundo o governador Simão Jatene, que participou da cerimônia, o investimento é importante para solucionar o estrangulamento do tráfego de veículos no acesso a Belém. Jatene lembrou os investimentos na área de infraestrutura urbana, decorrentes da parceria firmada com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), que garantirá um empréstimo no valor de R$ 320 milhões para a implantação do corredor de BRT (Bus Rapid Transit), do município de Marituba até o Entroncamento, na Região Metropolitana. O convênio foi firmado entre representantes da Agência e o governador Simão Jatene, na Embaixada do Japão, no Distrito Federal.

"Esses são passos importantes na equação dos problemas que estão postos hoje, sobretudo para a população de baixa renda, que utiliza com muito mais intensidade e frequência o transporte coletivo. Se nós agregarmos a isso outras ações que o governo do Estado está programando fazer, no sentido, inclusive, de criar uma plataforma no Rio Guamá, que vai retirar a entrada de carretas na cidade, não por uma imposição, mas por um trabalho natural de tornar muito mais fácil, acessível e barato para os próprios transportadores, então eu tenho certeza que a gente deve dar um passo muito importante para equacionar as questões da mobilidade e do transporte urbano em Belém", reiterou o governador.

Recursos - Jatene fez questão de ressaltar a origem dos recursos que serão investidos. "O PAC Mobilidade, da forma como está sendo construído, tem três fontes distintas. A construção da continuação da João Paulo II, a ser executado pelo governo do Estado, terá um investimento de R$ 214 milhões, dos quais o Orçamento Geral da União (OGU) põe R$ 80 milhões, o Estado põe, com operações de crédito, R$ 104 milhões, e entra ainda mais com sua contrapartida, que são R$ 30 milhões. Com isso, fechamos os R$ 214 que compõem a João Paulo. Agora, como o nosso debate sempre foi em torno do projeto Ação Metrópole como um todo, o Estado continua negociando, e praticamente está tudo fechado com a Jica para a liberação de R$ 320 milhões destinados ao trecho que vai de Marituba até o Entrocamento. Já o trecho interno a Belém ficou sob a responsabilidade da Prefeitura, que deve receber uns R$ 418 milhões para fazer isso", explicou o governador.

O secretário Especial de Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento Sustentável, Sérgio Leão, também ressaltou a importância dos recursos do PAC para a concretização do "Ação Metrópole". "É muito importante em função de ser um recurso que só Estado e município não teriam condições de dispor para o enfrentamento de um assunto tão grave, como é a mobilidade do trânsito. Esses recursos são bem sólidos. Serão mais de R$ 400 milhões para investimentos pela Prefeitura, e mais R$ 214 milhões pelo governo do Estado. Se a gente colocar o trecho que será feito com o dinheiro da Jica na Independência, serão investimentos de R$ 1 bilhão só na Região Metropolitana", destacou o secretário.

Ação Metrópole - A primeira etapa do Projeto Ação Metrópole foi finalizada com a construção da Avenida Centenário Assembleia de Deus e do elevado Gunnar Vingren. A segunda fase contempla a implantação do prolongamento da Avenida João Paulo II, no trecho compreendido entre a Passagem Mariano e a Rodovia Mário Covas, numa extensão de 3.800 metros, que servirá como rota opcional de entrada e saída da capital paraense.

Hoje, Belém conta com um único corredor viário para absorver esse fluxo: a Rodovia BR-316. A terceira fase do projeto contemplará a implantação do Sistema BRT (Bus Rapid Transit), no perímetro que vai da BR-316, município de Marituba, até o Entroncamento.

O PAC Mobilidade Urbana Grande Cidades investirá R$ 22 bilhões em 51 municípios brasileiros, valor que somado à contrapartida dos Estados atingirá o montante de R$ 32 bilhões, segundo o Ministério das Cidades. Esses recursos destinam-se à construção de linhas de metrô, Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e corredores de ônibus em cidades com mais de 700 mil habitantes, visto que o foco do projeto é o transporte de média e de alta capacidade.

ENTENDA O PROJETO AÇÃO METRÓPOLE

A Região Metropolitana de Belém (RMB), composta pelos municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, apresenta em torno de 28% da população do Pará, e concentra aproximadamente 36% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, revelando a expressão demográfica e econômica dessa região no âmbito estadual. Em 1991, a capacidade de mobilidade urbana de Belém começou a apresentar sinais de saturação. Foi quando nasceu a ideia do que se configurou, anos depois, no projeto Ação Metrópole.

Hoje, a RMB apresenta sérias dificuldades à mobilidade interna, decorrentes do aumento no tráfego, fruto do crescimento populacional e do alto incremento de veículos na frota, aliado à ausência de um sistema eficiente de transporte público para ônibus.

Para solucionar o problema, o governo do Estado desenvolveu vários estudos, que resultaram na proposta de implantação de uma rede integrada de transporte público coletivo metropolitano, com adoção do BRT (Bus Rapid Transit), em uma nova infraestrutura viária, vias alternativas ao tráfego, implantação das obras dos corredores e a gestão consorciada desse sistema.

Projeto - A primeira etapa do Projeto Ação Metrópole foi finalizada com a construção da Avenida Centenário Assembleia de Deus e do elevado Gunnar Vingren. A segunda fase contempla a implantação do prolongamento da Avenida João Paulo II, no trecho entre a Passagem Mariano e a Rodovia Mário Covas, com cerca de 3.800 metros, que será uma segunda opção de entrada e saída da capital paraense. Hoje, esse acesso é feito apenas pela Rodovia BR-316. A terceira fase será a implantação do Sistema BRT (Bus Rapid Transit), trafegando em canaletas instaladas na Rodovia BR-316, e faixas preferenciais a partir de São Braz até o centro de Belém.

O modelo conceitual de BRT é operado por ônibus articulados, com quatro portas no lado esquerdo, trafegando em canaletas pela Rodovia BR-316. O projeto para a RMB se enquadra no tipo ônibus troncal, com faixa exclusiva e ultrapassagem, prevendo ônibus de 20 metros de comprimento, com capacidade para 200 passageiros, elevando a capacidade dos corredores BR-316 e Augusto Montenegro para 24 mil passageiros nas horas de pico, e 48 mil na Avenida Almirante Barroso. O “Ação Metrópole” prevê, ainda, a gestão operacional associada dos serviços de transporte público por ônibus, executados na RMB.

O projeto possui todas as características e princípios necessários a um Sistema BRT, que contempla um estudo detalhado e minucioso da localização dos terminais de integração, da localização das estações de integração, de pontos de parada, permissão de ultrapassagem dentro das canaletas, embarque em nível dos passageiros, entre outros critérios.

Muitas pessoas levam até mais de duas horas em deslocamento, como no trajeto entre o município de Marituba até o centro de Belém. Com a implantação do “Ação Metrópole”, esse tempo será reduzido significativamente.

Alternativas - Marilena Marques Mácola, diretora executiva do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (GNTM), responsável pela execução do projeto, explica que o “Ação Metrópole” traz em sua concepção o deslocamento com conforto, além de trazer alternativas viárias para a cidade. O projeto promove a integração física de toda a RMB. Assim, todos os embarques e desembarques serão feitos dentro de estações de integração, permitindo o deslocamento com mais conforto e rapidez, e apenas uma tarifa, definida de acordo com os padrões salariais da população.

No último dia 26 de março, o governador Simão Jatene e o prefeito de Belém, Duciomar Costa, se reuniram para solucionar o impasse em torno dos projetos, devido à sobreposição na Avenida Almirante Barroso, quando fecharam acordo para implantação do sistema BRT. Ficou acordado entre as equipes técnicas que a melhor solução para a Região Metropolitana de Belém será a execução, pelo governo do Estado, do prolongamento da João Paulo II até o elevado do Coqueiro, fazendo a ligação com a Rodovia Mário Covas, e do trecho da Rodovia BR-316, na saída do município de Marituba, até o Entroncamento. A Prefeitura executará as obras da Avenida Augusto Montenegro e Almirante Barroso, até o Ver-o-Peso. Após o acordo firmado entre o governador e o prefeito, as equipes técnicas do governo e da Prefeitura se reuniram para fazer os ajustes necessários nos projetos.

Acordo - O Termo de Compromisso contém os seguintes pontos: Extensão dos percursos até o centro de Belém e à orla de Icoaraci, com faixas preferenciais, conforme itinerário definido no projeto Ação Metrópole; Terminal Intermodal em Icoaraci; Revisão das Estações de Integração da Avenida Augusto Montenegro; Observância dos pontos de parada, de acordo com os polos geradores de tráfego; Soluções geométricas de ultrapassagem nos pontos de parada dos corredores, sem comprometimento da capacidade da via (pista e faixas) para tráfego geral; Soluções de embarque e desembarque de passageiros em nível nos pontos de parada, com pagamento antecipado da tarifa, incluindo os trechos do centro de Belém e de Icoaraci; Padronização dos ônibus com as mesmas especificações técnicas previstas no Ação Metrópole (O NGTM propõe a utilização de veículos articulados e não biarticulados); Supressão dos terminais de integração previstos para o Entroncamento e São Braz; Manutenção da ciclovia no canteiro central da Avenida Almirante Barroso; A gestão do planejamento da operação do Sistema BRT a cargo do governo do Estado e a participação da Prefeitura no consórcio metropolitano, que fará a gestão do sistema.

Com a finalização da minuta do Termo de Compromisso, esta será assinada pelo governador Simão Jatene e o prefeito Duciomar Costa, em data ainda a ser marcada.

O Plano Diretor de Transporte Urbano, elaborado em 2001 pelo governo do Estado, com apoio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), demonstrou, em uma pesquisa domiciliar na Região Metropolitana, com base nas projeções de demanda, o carregamento da rede viária metropolitana nos anos de 2005, 2010, 2015 e 2020.

O estudo revela que o fluxo de veículos no prolongamento da Avenida João Paulo II se apresenta visível até a Alça Viária, a partir de 2005, chegando em 2020 a mais de 1.250 veículos/hora, próximo à cidade de Benevides. Esses carregamentos mostram a importância do prolongamento da João Paulo II.

Outro dado revelado pelo estudo é que as maiores contribuições para o tráfego urbano da BR- 316 têm origem a partir da sede do município de Ananindeua, com destaque para a Rodovia Mário Covas, onde terminará, nesta etapa, o prolongamento da João Paulo II.

Outra importante contribuição do prolongamento da João Paulo II é a preservação do Parque do Utinga, uma vez que a avenida funcionará como uma barreira física e sanitária de proteção à Área de Preservação Ambiental (APA) Belém. Uma barreira sanitária, por meio de um sistema de drenagem que captará os efluentes que hoje são diretamente lançados nos mananciais, promoverá a  filtragem desses resíduos. Também haverá uma barreira física, pois será uma via expressa margeada por um gradil, que permitirá a visualização do Parque.

Secretaria de Estado de Comunicação
Rodovia Augusto Montenegro, km 09 - Coqueiro - Belém - PA CEP.: 66823-010
Fone: (91) 3202-0901
Site: www.agenciapara.com.br Email: gabinete@secom.pa.gov.br

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Primeira estação de embarque e desembarque do BRT chega a Belém

06/07/2012 - G1

A Prefeitura de Belém (PMB) começou a instalar nesta quinta-feira (5), na Avenida Almirante Barroso com a Travessa Perebebuí, a primeira das vinte e três estações de embarque e desembarque de passageiros do projeto BRT (Ônibus Rápido). A instalação de toda a estação deve ser concluída em até 20 dias. 

Segundo Leonardo Lopes, coordenador de Engenharia da Unidade de Gerenciamento de Projetos Estratégicos da PMB, as estações são compostas por duas estruturas metálicas em formato de tubo, revestidas por vidro e com ambiente refrigerado. Cada estrutura da primeira estação mede 17,18 metros de cumprimento e 2,5 metros de diâmetro e tem capacidade para abrigar até 75 passageiros. 

O primeiro passo para a instalação da primeira estação é a afixação das estruturas metálicas, que em seguida recebem revestimentos de vidro, sinalização e um sistema de refrigeração. O engenheiro Leonardo explica que, as estações têm escada e rampa para acesso de passageiros e catracas, mas não há assentos, já que o tempo de permanência em cada estação será mínimo. As estações estão sendo confeccionadas em Curitiba (PR), onde foi implantado um dos mais eficientes e modernos modelos de BRT do Brasil. 


O projeto prevê três estações. Uma no bairro de São Brás, outra no Entroncamento e a terceira em Icoaraci, distrito de Belém. O sistema deverá atender toda a Região Metropolitana de Belém (RMB). Ao todo serão 20 quilômetros de pistas monitoradas por um Centro de Controle Automatizado.

domingo, 1 de julho de 2012

Ônibus modelo do BRT já está em Belém para teste

26/06/2012 - G1

Um ônibus do modelo que será usado no primeiro corredor BRT (Bus Rapid Transit, na sigla em inglês) de Belém, que ligará o centro ao distrito de Icoaraci, chegou à cidade nesta segunda-feira (25). O veículo foi testado durante toda a tarde desta segunda-feira (25) na Avenida Almirante Barroso, do Entroncamento até a Avenida Tavares Bastos. 

O ônibus articulado, que veio de Curitiba, no Paraná, tem capacidade para 170 pessoas. O veículo possui sistema de refrigeração, computadores de bordo e câmeras de segurança. A velocidade chega a 60 km por hora, segundo a Prefeitura de Belém. De acordo com a Prefeitura de Belém, o teste não apresentou nenhum problema. E a chuva que caiu no final da tarde possibilitou a realização do teste de aderência com pista molhada. 

Entenda o projeto 

O Bus Rapid Transit (BRT) foi planejado para beneficiar mais de 600 mil pessoas que são usuárias do corredor de tráfego na capital paraense. O modelo de transporte rápido é construído sobre caneletas e possui um corredor de ônibus exclusivo, garantindo agilidade, com redução do tempo de viagem em até 70%. O novo corredor que vai do Distrito de Icoaraci até o bairro de São Brás, terá paradas climatizadas a cada 700 metros e sistema de bilhete antecipado. As obras do BRT Belém foram iniciadas no mês de março nas avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro, dois dos principais corredores de transporte da capital. 

O projeto prevê três estações. Uma no bairro de São Brás, outra no Entroncamento e a terceira em Icoaraci, distrito de Belém. O sistema deverá atender toda a Região Metropolitana de Belém (RMB). Ao todo serão 20 quilômetros de pistas monitoradas por um Centro de Controle Automatizado. 

Hoje existem em todo o mundo mais de 160 sistemas BRT operando ou em construção, por terem se tornado a melhor escolha para a mobilidade urbana em 23 países dos cinco continentes. Apesar da origem do BRT ser baseada em ônibus, o transporte tem pouco em comum com os sistemas tradicionais de ônibus. A maioria dos BRT’s implantados com sucesso, como em Curitiba (PR), opera com corredores exclusivos ou preferência para a circulação do transporte coletivo, embarques e desembarques rápidos, através de plataformas elevadas no mesmo nível dos veículos, entre outras vantagens.

Usuários apontam principais problemas do transporte coletivo

30/06/2012 - O Coletivo

Com a chegada do período eleitoral e as convenções se aproximando o jornal O Coletivo foi às ruas para saber dos usuários do transporte coletivo quais os principais problemas encontrados por eles, que utilizam o serviço diariamente.

A maioria dos usuários entrevistados reclamava da falta de conforto dos ônibus, paradas e estações que não ofereciam condições adequadas para que os passageiros pudessem se acomodar.

São inúmeras as reclamações atrasos nos horários, más condições dos veículos e preço alto. Estes também foram problemas apontados pelos usuários ouvidos pela reportagem com relação ao transporte coletivo urbano. A aposentada Vanda Gonçalves reclama que alguns veículos da frota estão em péssimas condições e precisam ser substituídos.

Já a ajudante geral Carolina de Jesus Pereira se queixa dos atrasos nos horários, o que obriga as pessoas a sair muito mais cedo de casa para não perder seus compromissos. O técnico em segurança do trabalho Lucas Carvalho aponta o preço da tarifa como impedimento para a utilização assídua do serviço. "É muito caro. Se usar quatro passagens para ir e voltar do trabalho, gasta R$ 10,00 por dia", comenta.

Altas temperaturas

A balconista Elizangela Medeiros relatou que por diversas vezes já presenciou usuários passando mal ou se queixando do calor dentro dos ônibus. Segundo Elizangel falta ventilação adequada em algumas linhas e o usuário acaba sofrendo com as altas temperaturas.

Segundo explica Elizangela há alguns anos existia na capital uma frota de ônibus chamada de "frescão", os veículos possuíam ar condicionado e proporcionavam maior conforto para os passageiros. A balconista informou que a frota foi retirada, mas as empresas não justificaram o porquê da substituição.

Horários

Já o estudante Jamides Farias informou que o principal problema que ele enfrenta é o atraso nos horários de algumas linhas. Segundo o estudante muitas vezes ele chega atrasado ao trabalho e a faculdade por que o coletivo que seria utilizado não passou no horário correto. "Já cheguei algumas vezes atrasado ao trabalho por conta da demora do coletivo passar, e quando ele aparece o motorista está sempre em alta velocidade, gerando risco a segurança dos passageiros", ressaltou.

Renovação

A expectativa dos usuários é grande com relação à renovação da frota de veículos do transporte coletivo que vem sendo substituída gradativamente segundo afirmou o sindicato das empresas de ônibus.

Sem contato

Por diversas vezes tentamos contato com a empresa responsável pelo transporte urbano em Palmas mas não recebemos retorno de nossas ligações. O espaço fica aberto para as empresas ou sindicato caso queiram se manifestar.
 

Capital não foi feita para pedestres e sistema de transporte é precário e não atende às necessidades dos passageiros

30/06/2012 - O Coletivo

Por Célia Bretas Tahan , jornalista

Andar a pé, sob o sol escaldante de Palmas, é realmente difícil, quase impossível. Não apenas por causa do calor, mas, também, porque não há quase nenhuma calçada. Então, se o coitado do cidadão decidir andar, deve se preparar para dividir o espaço das ruas com os veículos, correndo o risco de ser atropelado. Se não quiser andar, a solução é o transporte coletivo. Só tem um grande problema: quem "inventou" o sistema de transporte coletivo de Palmas nunca andou de ônibus.

A linha 19, por exemplo, não circula até a Estação Apinajé nos domingos e feriados. Quem mora nas Quadras 204, 304, 206, 306, e em outras incluídas no trajeto semanal, se quiser se deslocar, que ande a pé até a JK ou até a Theotônio Segurado. Mais uma vez, que ande debaixo do sol e no meio do mato ou da lama ou, ainda, dividindo o espaço da rua com os veículos.

Outro dia, na Estação Apinagés, a Linha 15, que deveria sair às 14h15, não tinha ônibus. Questionado, o fiscal disse que, se o "carro" quebra ou tem algum problema no caminho, não é mandado outro para substituí-lo.

Finalmente, chegou o das 14h30. Os passageiros desceram e o ônibus foi embora. Vazio. Outro veículo, que havia saído do estacionamento e se posicionado entre o espaço destinado às linhas 15 e 18 é que faria o percurso. Só que esqueceram de avisar os coitados dos passageiros que estavam ali aguardando desde as 14h05 e que quase perderam o das 14h30. Só não perderam porque o motorista, atencioso, abriu a porta quando já estava de partida. Resultado: cheguei ao trabalho atrasada.

Ainda sobre a linha 15, outro dia, uma senhora pegou o ônibus na Estação Apinagés, para ir até a Feira da 304. Tudo porque o fiscal tinha dito a ela que a linha era aquela. Só no caminho descobriu que teria de ir até o fim do trajeto e voltar, já que a 15 só passa pela feirinha quando retorna para a Apinagés.

E a outra passageira que perguntou ao motorista da Linha 19 se aquele ônibus passava na antiga Arse 22 (206 Sul) e ele respondeu que não? Coitada! Ficou esperando a Linha 15, feito besta, e teve de "passear" até o fim da JK para, então, voltar à Arse 22.

E o calor dentro dos ônibus? Coisa de queimar o cérebro! Onde foi parar o "Frescão"?O lucro, com certeza, está no bolso do Toninho da Miracema, aquele que é o único a ganhar dinheiro com os prejuízos do usuário do transporte coletivo de Palmas.

E as estações? Se aquilo pode ser chamado de estação, então sou a coelhinha da Páscoa. Não consta nem mesmo o itinerário das linhas. E, quando consta, estão lá: LO-27, NS-04 e por aí afora. Onde foram parar aqueles itinerários com pontos de referência do tipo Centro Médico, Espaço Cultural, Palmas Shopping e outros? Palmas é pequena e a nova nomenclatura das ruas - não tão nova, mas ainda desconhecida até pelos carteiros - não ajuda. Alguém, por acaso, sabe qual é a NS-04? Será que é aquela que passa no Extra? Sinceramente, não sei. E olhem que moro ali perto.

Então, vamos aos "gênios" que, em 2007, mudaram o sistema de transporte coletivo de Palmas e resolveram que a cidade não tinha mais pontos de referência, mas sim, ruas SE, NO qualquer coisa, e avenidas NS e LO. Resolveram também que o ideal era ter um "Eixão" e não os ônibus circulares que nos levavam para todos os lugares da cidade, e que o povo simples, que usa transporte coletivo, não precisa de ar condicionado. Sem contar que tem de agüentar emissoras de rádio que agradam o motorista e são uma tortura para os passageiros!

Os gênios da Miracema, apoiados pela Prefeitura (leia-se a Agência de Trânsito, Transporte e Mobilidade - ATTM), nunca andaram no sistema "inventado" por eles. Prova disso, é o fato de que, para ir da 206 Sul até a JK, ou o cidadão anda a pé, debaixo do sol ou da chuva e em ruas sem calçadas, ou pega a Linha 19 até a Estação Apinagés e, depois, a 15 até a JK.

Durante a semana, considerando que a Linha 19 passa de 20 em 20 minutos, se o cidadão tiver o azar de chegar pouco depois de o ônibus sair do ponte, vai esperar mais 20 minutos pelo próximo. Na Estação Apinagés, mais 15 minutos pela Linha 15. Em resumo, vai demorar 35 a 40 minutos para ir da 206 Sul até a JK.

Então, se seu destino é a região dos bancos, melhor mesmo ir a pé, enfrentando o sol, o calor ou a chuva, dividindo o espaço com os veículos ou pisando na lama ou no mato. E olhe que, por ali, ainda há muitas calçadas. Fico pensando nas pessoas que moram mais longe do centro e que não contam com essa "melhoria".

Claro que não poderia fazer um texto com críticas sem apontar soluções. Claro, também, que não sou especialista em transporte coletivo, mas uso o sistema e entendo bem mais do que os "gênios" que só ajudaram o Toninho da Miracema a ganhar mais dinheiro em cima do povo de Palmas.

Em primeiro lugar, Palmas precisa de uma linha circular, como a antiga Linha 30, que passava em todos os pontos importantes da Cidade. Em segundo, é imprescindível que os ônibus tenham ar condicionado. Se o Toninho achar que vai ficar muito caro, sugiro que faça como no Rio de Janeiro, onde os ônibus com este benefício tem tarifa um pouco - um pouco, viu, Toninho? - maior.

Em terceiro, vamos parar com esta besteira de identificar os pontos de referência de Palmas como ruas e avenidas, já que, a maioria delas nem tem placa de sinalização. Vamos voltar ao antigo sistema de Galeria Bela Palma, Espaço Médico, Ulbra, Ulbrinha e tantos outros.

E, por último, pelo amor de Deus e em benefício do povo que paga caro para usar o transporte coletivo, coloquem os itinerários e façam a manutenção das estações. Elas estão um lixo!

Transporte coletivo caminha para o monopólio na capital

16/10/2008 -  oestadodoacre

Pequenas empresas, que são acreanas, estão sendo estranguladas financeiramente porque não recebem os valores devidos da venda de vale-transporte, como diz a lei e a justiça.

Uma guerra invisível acontece entre as pequenas empresas e o Sindicol [sindicato das empresas dos transportes coletivo] nos últimos meses e os usuários dos ônibus em Rio Branco nem se dão conta.
Uma lei municipal, amparada numa decisão do Tribunal de Justiça do Acre, assegura às empresas de pequeno porte da capital, que os repasses dos valores das vendas do vale transporte sejam transferidos como manda a lei.
Uma das empresas, a São Judas Tadeu LTDA [SJT], entrou com ação pedindo indenização por ‘perdas e danos' contra o Sindicol. Sobre isso, o juiz Marcelo M. Duarte diz, embasando a sua decisão em caráter liminar: ‘...Verifico que são verossímeis as alegações da parte autora [SJT] com a relação à inobservância da parte re´[sindicol]..'
Mais adiante o juiz cita a preocupação com a possível crise financeira que a empresa pode ter: ‘...Receio de dano de difícil reparação ou mesmo irreparável à vida financeira da parte autora..' e no final de sua sentença decide pela ‘... Imediata observância, na compensação das receitas do Sistema Integrado de Transporte Urbano ao percentual de 7,2% devido à parte autora, sob pena de multa de R$ 1 mil por dia de atraso..'
Mas não foi isso que aconteceu depois dessa decisão judicial: o Sindicol que, em tese, teria que defender todas as empresas,  recolhe às suas sócias pequenas apenas parte dos valores e percentuais devido. Ou seja, a lei e a última decisão da justiça manda cumprir o percentual de 7,2%, mas as empresas menores só recebem pouco mais de 5%.
E o que é pior: na hora de recolher o imposto para a prefeitura são obrigadas a recolher o percentual que a lei estabelece, sobre os 7,2%. Mas só recebem 5,7%. No fim de cada mês, claro, a contabilidade não bate.
-As pequenas recebem menos, todo mês, entre R$ 25 e 30 mil do Sindicol - disse um expert do sistema, que pede não ter o nome revelado.
Monopólio
O não repasse por parte do Sindicol às empresas pequenas do sistema, no fim das contas, favorece a única grande empresa da capital que, segundo dizem, ‘controla com mão-de-ferro' a entidade Sindicol, e esta nega-se a cumprir a decisão judicial no tocante aos valores da venda dos tais vales-transporte.
Resultado: as pequenas não vão agüentar muito tempo e o monopólio no transporte público de Rio Branco, que não é dos melhores, deverá piorar ainda mais o nível dos serviços prestado aos usuários.
As pequenas empresas dizem que a prefeitura é a única que tem o poder de fazer o Sindicol cumprir a  lei e a decisão da justiça com relação aos repasses. Na terça-feira, 14, uma reunião envolvendo as empresas, o Sindicol, e a prefeitura, não tocou no assunto e, portanto, ‘não resolveu absolutamente nada', nas palavras de um participante. A esperança é de que com a chegada do prefeito Angelim, que saiu de férias depois da reeleição, as coisas se resolvam.
A oestadoacre.com um comentário pejorativo contra o prefeito foi feito por gente que tramita no meio do sistema. Diz a fonte que ‘os grandes do transporte coletivo não respeitam o prefeito  e que as decisões importante não é ele quem toma...' Dizem que as decisões vêm mais de cima. De cima, da onde?
Ou seja, os grandes empresários do sistema de transporte coletivo de Rio Branco acham que tudo podem e que as autoridades constituídas não são tão constituídas assim. O monopólio, no fim de tudo, sempre vencerá, acreditam.
Outro lado

A reportagem de oestadoacre.com tentou por inúmeras vezes, por telefone [3224-5774], falar com o gerente do Sindicol, e também com o responsável principal da empresa Real Norte. Na última tentativa, nesta manhã de quinta-feira, 16, a secretária disse que eles ‘não dariam entrevista de jeito nenhum sobre esse assunto'.

Abrigos de ônibus 100% ecológico em Rio Branco

27/07/2011 - O Rio Branco

Postado por Fortalbus

A apresentação foi feita no hall da Federação das Indústrias do Acre (Fieac) com a presença do assessor do governador Tião Viana, Fábio Vaz; do secretário Municipal de Serviços Urbanos, Cezário Braga; o superintendente do Banco da Amazônia, Marivaldo Melo, e empresários.

O lançamento do mourão como mais um item do portfólio de produtos da PlasAcre foi marcado pela apresentação do protótipo de um abrigo de ônibus 100% ecológico. O abrigo foi construído com ripas e telhas plásticas, usando-se apenas umas poucas peças de madeira e parafusos para sua fixação.

Angelim citou a Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos (UTRE) como fomentadora da iniciativa que está investindo no aproveitamento de material plástico para produzir peças inovadoras na construção civil. “Isso aqui prova que quando se aposta na inovação você pode ter um grande resultado”, disse Edvaldo Magalhães.

As peças usadas no abrigo são em polietileno obtido da reciclagem de sacolas plásticas, frasco de detergente, desodorante e outros. 70% da composição do mourão são materiais plásticos e 30%, serragem. “A previsão é que tenha uma vida útil de 40 a 50 anos”, disse Éder Santos, sócio da PlasAcre. A telha do abrigo contém produtos contra incêndio e anti-UV, que não se destroem com o fogo e o calor do sol.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Sai resultado da licitação para obras de construção do BRT, em Manaus
Sistema BRT integrará a Zona Leste ao Centro de Manaus. Obra está orçada em R$ 222.969.519,69, segundo Diário Oficial
Enviar por E-mail Imprimir Comunicar Erro Tamanho da fonte| Voltar ao tamanho original Notícias  
Autor: Da Redação  |  Postado em: 12 de abril de 2012  |  Fonte: G1 AM

Projeto do BRT nas vias da cidade de Manaus
créditos: Divulgação
A empresa Consórcio Construbase – AS Paulista será a responsável pela execução das obras do Sistema Bus Rapid Transit (BRT), no trecho Corredor Leste de Manaus. De acordo com informações publicadas no Diário Oficial do Município (DOM), desta quarta-feira (11), a Construbase venceu a concorrência pública (Pública nº. 050/2011-CLS/PM) com o valor de R$ 222.969.519,69.
 
A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) desclassificou, em dezembro do ano passado, os consórcios Sanches Tripolini-Arvek e Construbase - S.A. Paulista, durante a fase de documentação da licitação do Bus Rapid Transit (BRT). As concorrentes não apresentaram todos os documentos exigidos pelo edital.
 
Na época, a implantação do BRT estava orçada, pelo projeto básico, em R$ 290 milhões e o prazo para conclusão do sistema é 24 meses após o início das edificações. Ainda segundo informações da prefeitura, das 42 empresas que compraram o edital, somente duas em formato de consórcio apresentaram propostas para realizarem a obra.
 
De acordo com informações do Ministério das Cidades, o sistema BRT integrará a Zona Leste ao Centro de Manaus e comporá o sistema de integração da capital para a Copa de 2014 com o monotrilho nos terminais de integração Largo da Matriz, no centro da cidade, e Jorge Teixeira, Zona Leste, formando um “anel” de transporte público coletivo na capital amazonense. O sistema do BRT deve atingir uma extensão de 23 km.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Ministério das Cidades conhece rota do BRT de Belém

08/04/2012 - BRT

Ver-o-Peso, avenida Almirante Barroso, BR-316 até o município de Marituba e avenida Augusto Montenegro até o distrito de Icoaraci. Esse foi o trajeto realizado pelo Ministério das Cidades, na manhã de ontem, durante uma visita aos trechos que deverão receber as obras de implantação dos projetos BRT (Bus Rapid Transit) e Ação Metrópole. A visita foi o último compromisso da representante do ministério referente ao projeto antes do embarque para Brasília.

Durante a visita, representantes do Governo do Estado do Pará, da Prefeitura Municipal de Belém e do ministério pararam em pontos que, de acordo com o previsto, receberão os terminais de integração que alimentarão os ônibus do BRT. No município de Marituba, a previsão é de que o terminal seja instalado em um terreno onde hoje está localizado um prédio abandonado na rodovia BR-316. “O sistema vai começar aqui”, informou o diretor geral do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM) – responsável pela implantação do projeto Ação Metrópole, César Meira. “Quem chegar de outros municípios vai descer aqui e entrar no sistema do BRT”.

Apesar da previsão apresentada à diretora de mobilidade urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide, o governo reconhece que o local pode ser alterado. “Não é um terreno do Estado e ainda não foi desapropriado. A previsão é de que o terminal fique aqui”, disse César.

Segundo ele, apesar de não estar incluído no projeto do Ação Metrópole, ainda há a possibilidade de transferência do Terminal Rodoviário de Belém para este ponto em Marituba. “Não vai ser mais preciso os ônibus intermunicipais entrarem na cidade. A rodoviária sairia de São Brás e viria para cá”, disse. “Isso não está incluído no Ação Metrópole, mas é consequência natural. Há uma possibilidade de, durante a obra da BR-316, o terminal ser transferido”.

Apesar das previsões, César Meira também informa que o governo estadual ainda depende de recursos federais para iniciar as obras. De acordo com o cronograma definido pelo Estado para a parte das obras que lhe cabe, ainda neste ano seria iniciado o prolongamento da avenida João Paulo II, que também aguarda o possível repasse do Ministério das Cidades. “A João Paulo será feita com recursos do governo federal e o Estado entraria com a contrapartida que ainda não foi definida. A parte da João Paulo já está licitando e devemos abrir o edital no mês que vem”, explicou. “Vamos começar pelas vias de escoamento para depois fazer o BRT na BR. A instalação do BRT deve começar apenas no ano que vem”.

ESPERANÇOSOS

Em um dos pontos que diz respeito às obras de responsabilidade municipal, na avenida Augusto Montenegro, a gerente de projetos da Prefeitura de Belém, Suely Pinheiro, também demonstrou otimismo com relação à possibilidade de ajuda do Ministério. “Por enquanto, a obra está sendo feita com recursos próprios do município. A obra toda está orçada em R$ 390 milhões e a previsão de recursos do município disponíveis é de R$ 40 milhões”, afirmou. O repasse de recursos federais para o projeto municipal ainda permanece, no entanto, proibido pela Justiça, que concedeu liminar no último dia 23, em ação movida pelo Ministério Público Federal, para impedir os repasses, alegando irregularidades no projeto. “A ação do Ministério Público é um processo normal. Em todo o Brasil acontecem ações. Estamos esperançosos de que esse recurso (do governo federal) venha”, disse Suely.

Segundo ela, as obras já iniciadas pela prefeitura para instalação do BRT – no Entroncamento e nas avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro – continuam em execução e devem permanecer assim. “As obras estão dentro do prazo previsto. No Entroncamento, estão sendo feitas obras de base e fundação. Na Augusto Montenegro, está sendo feito um pavimento rígido. Já na Almirante Barroso é um pouco diferente porque já existe um pavimento rígido. Como já tem a base, vamos continuar com as obras no canteiro central”.

Apesar do otimismo das duas esferas com relação à liberação dos recursos, a diretora de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide, pouco pode falar sobre a possibilidade. Segundo ela, a visita aos locais que devem receber as obras é de praxe em quase todas as cidades que concorrem aos recursos do PAC Mobilidade Grandes Cidades. “Tenho certeza de que, quando os projetos estiverem implementados, a mobilidade vai ficar bem melhor”, disse. “Não sou conhecedora da cidade para fazer uma avaliação. Essa visita é de praxe para conhecer a situação da cidade”.

DE PRAXE

Após a reunião realizada na última quinta-feira para apresentar o projeto complementar de implantação do BRT e do Ação Metrópole ao Ministério das Cidades, a diretora de Mobilidade Urbana do Ministério, Luiza Gomide, percorreu os trechos da Região Metropolitana que receberão o sistema de transporte rápido. Segundo Gomide, a visita é de praxe às cidades que esperam receber recursos do PAC Mobilidade.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Governo e prefeitura de Belém finalizam ajustes para implantação do BRT

05/04/2012 - Agência Pará de Notícias

Foi concluída em reunião a minuta do termo que será assinado entre governo do Estado e Prefeitura de Belém definindo as competências de cada um no BRT

Governo e prefeitura de Belém em reunião
créditos: Divulgação

Foi concluída, em reunião ocorrida na tarde desta quarta-feira, 4, no Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), a minuta do termo de compromisso que será assinado entre governo do Estado e Prefeitura de Belém para selar o acordo de ajustes dos projetos do sistema integrado de BRT (Bus Rapid Transit). O encontro faz parte de um ciclo de reuniões entre equipes do Estado e município para tratar dos ajustes técnicos que permitirão uma implantação integrada do sistema na Região Metropolitana de Belém, envolvendo 40 quilômetros de vias.
 
O termo de compromisso contém os seguintes pontos: extensão dos percursos até o centro de Belém e até a orla de Icoaraci, com faixas preferenciais, conforme itinerário definido no projeto Ação Metrópole; Terminal Intermodal em Icoaraci; revisão das estações de integração da rodovia Augusto Montenegro; e observância dos pontos de parada de acordo com os polos geradores de tráfego.
 
Fazem parte do termo ainda os seguintes itens: soluções geométricas de ultrapassagem nos pontos de parada, dos corredores sem comprometimento da capacidade da via (pista e faixas de tráfego) para tráfego geral; soluções de embarque e desembarque de passageiros em nível nos pontos de parada, com pagamento antecipado da tarifa, incluindo os trechos do centro de Belém e de Icoaraci; padronização dos ônibus com as mesmas especificações técnicas, previstas no Ação Metrópole. O NGTM propõe o uso de veículos articulados e não biarticulados.
 
Também no compromisso estão a supressão dos terminais de integração previstos para o Entroncamento e São Braz; a manutenção da ciclovia no canteiro central da avenida Almirante Barroso; e decisão de que a gestão do planejamento da operação do sistema BRT fica a cargo do governo do Estado. A prefeitura, por sua vez, participará do consórcio metropolitano que fará a gestão do sistema.
 
Discussões
 
O termo de compromisso deverá ser assinado pelo governador Simão Jatene e pelo prefeito de Belém, Duciomar Costa. Em seguida, será encaminhado, juntamente com os projetos e as cartas-consulta, para o Ministério das Cidades, o que deve ocorrer até quarta-feira (11), para apreciação do governo federal e possível inclusão dos projetos de BRT do Pará no PAC Mobilidade.
 
A diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola, informou que o sistema de Bus Rapid Transit tem características e princípios específicos, necessários para ser considerado um sistema BRT, daí a importância de reuniões para esses ajustes de projetos. “Por isso já agendamos mais duas reuniões, e as próximas já estão marcadas para segunda-feira (9) e para o dia 25, para tratar do consórcio. São reuniões técnicas”, reforçou.
 
O sistema BRT precisa ter: um projeto de infraestrutura que contempla canaletas, faixas preferenciais, pontos de paradas no mesmo nível do embarque nos ônibus, permissão de ultrapassagem entre ônibus nas canaletas, localização de estações de integração nas canaletas e pagamento da tarifa fora dos ônibus, entre outros.
 
No acordo firmado entre Estado e prefeitura, ficou definido que o governo será responsável pela construção da infraestrutura para o BRT, no trecho do Entroncamento até o município de Marituba, incluindo o prolongamento da avenida João Paulo II. Sob responsabilidade do município ficam as obras do corredor da rodovia Augusto Montenegro até o distrito de Icoaraci, estendendo os serviços até a orla com a construção de um terminal intermodal, e do corredor da avenida Almirante Barroso até o Ver- o Peso.
 
Leia também:

Belém: representante da União conhece projeto Ação Metrópole e o percurso do BRT 
Em Belém, Investimento em obras de mobilidade urbana deve ser de R$ 910 milhões 
Pedestres se tornam vítimas em Belém 

sexta-feira, 30 de março de 2012

Em Belém, Investimento em obras de mobilidade urbana deve ser de R$ 910 milhões

29/03/2012 - Diário do Pará

O governo do Pará e a Prefeitura de Belém prometem investir R$ 910 milhões até 2015 para melhorar o transporte de passageiros e o fluxo de veículos na Região Metropolitana de Belém. O acordo - cuja parte técnica foi finalizada ontem - prevê que o governo do Estado se responsabilize pelo prolongamento da avenida João Paulo II, do atual trecho asfaltado na passagem Mariana até o viaduto do Coqueiro. Também investirá no sistema de ônibus rápido do
Entroncamento até o município de Marituba.

Os investimentos do governo devem somar R$ 530 milhões, que poderão vir de empréstimo junto a Agência de Cooperação Japonesa (Jica) e do governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em sua edição voltada para projetos que facilitem a mobilidade das grandes cidades. A Jica deve emprestar R$ 320 milhões a partir de uma contrapartida de R$ 166 milhões do Estado. O empréstimo já tem protocolo de intenção assinado, mas ainda depende de aprovação do Senado (praxe em caso de captação de recursos no exterior).

A Prefeitura de Belém continuará as obras de ônibus rápido, que já iniciou, nos trechos das avenidas Augusto Montenegro e Almirante Barroso, mas estenderá a obra até a orla de Icoaraci, onde será implantado um terminal intermodal para permitir a conexão com o transporte fluvial que chega e sai para as ilhas. Além disso, o município ampliará o sistema de ônibus rápido para o trecho que vai de São Brás até o Ver-o-Peso.

Foram feitas ainda mudanças para permitir que o BRT fosse modernizado. A principal delas é que o projeto anterior não permitia a ultrapassagem entre os veículos que trafegarão sobre as canaletas. Com a alteração, haverá ultrapassagens, o que vai permitir implantar linhas expressas e semi-expressas.

O investimento do município será de R$ 380 milhões. O prefeito de Belém, Duciomar Costa diz que investirá recursos próprios do município, mas espera receber também dinheiro do PAC para a mobilidade. Ele promete entregar o trecho do Entroncamento a São Brás ainda no atual mandato, que encerra em 31 de dezembro deste ano.

O governo já lançou edital de licitação para contração da empresa que fará o projeto executivo do prolongamento da João Paulo II e promete lançar, a partir de junho deste ano, edital para contratar o projeto executivo do restante da obra, que deverá estar concluída até o final de 2015.

POLÊMICA
O projeto BRT da prefeitura gerou polêmica e chegou a estremecer as relações do Estado com o município. Técnicos do governo avaliavam que a obra municipal era incompatível com o projeto estadual batizado de Ação Metrópole. O caminho para o entendimento foi aberto pelo governo federal, que prometeu incluir a obra no PAC da mobilidade desde que houvesse acordo entre as duas esferas.

No início desta semana, Duciomar e o governador Simão Jatene se reuniram e autorizaram suas equipes a buscarem um entendimento e assim encerrar o impasse. A primeira reunião aconteceu na última terça-feira e a segunda, que finalizou os detalhes dos dois projetos foi realizada ontem. Na sexta-feira, deve haver novo encontro para apresentar os projetos com as alterações.

Apesar do acordo, continuará havendo dois projetos diferentes, mas que passaram a ser complementares. Cada ente terá autonomia para gerenciar a obra sob sua responsabilidade. “Nós temos que trabalhar agora na tramitação de liberação de recursos”, disse ontem a diretora Executiva do Ação Metrópole, Marilene Mácola.

Termos do acordo serão apresentados hoje
O projeto do Estado estava orçado em R$ 480 milhões incluindo o BRT naBR 316, Almirante Barroso e chegando até o Ver-o-Peso. Com o acordo, o governo investirá apenas R$ 290 milhões em BRT, mas assumirá o prolongamento da avenida João Paulo II, considerado fundamental como via alternativa.

Marilene diz que, embora as obras sejam independentes, os cronogramas devem estar ajustados para que, quando o sistema BRT for implantado, a infraestrutura física esteja pronta. Os detalhes técnicos serão finalizados até amanhã. A parte acordada já será entregue aos técnicos do Ministério das Cidades, em reunião agendada para a tarde de hoje, no Centro Integrado de Governo, em Belém.

Duciomar disse que o impasse criado entre governo do Estado e município acabou tendo um saldo positivo. Afinal, com a intervenção do governo federal foi possível aumentar os investimentos e incluir o prolongamento da João Paulo II no projeto. “O resultado acabou sendo melhor do que a gente esperava”.

Ele garantiu que, mesmo com a decisão da Justiça, que impede a União de destinar recursos para o sistema de ônibus rápido em Belém, a obra não será interrompida. Para concluir, contudo, será necessário receber investimentos do governo federal. Para isso, o prefeito espera derrubar a liminar concedida a pedido do Ministério Público Federal. Ele afirma que o acordo com o governo poderá ajudar na batalha judicial. “Um dos argumentos (para a não concessão de recursos federais) era de que nosso projeto era incompatível com o do Estado. Isso não existe mais”. Outro argumento estaria em problemas na licitação que foi vencida pela construtora Andrade Gutierrez.

Um dos problemas teria sido a não possibilidade de formação para consórcio entre empresas. “Mas essa é uma decisão da administração pública”, argumentou o prefeito, reafirmando que, ainda este ano, concluirá as obras do BRT do Entrocamento (incluindo um elevado) até São Brás.