sexta-feira, 13 de abril de 2012

Sai resultado da licitação para obras de construção do BRT, em Manaus
Sistema BRT integrará a Zona Leste ao Centro de Manaus. Obra está orçada em R$ 222.969.519,69, segundo Diário Oficial
Enviar por E-mail Imprimir Comunicar Erro Tamanho da fonte| Voltar ao tamanho original Notícias  
Autor: Da Redação  |  Postado em: 12 de abril de 2012  |  Fonte: G1 AM

Projeto do BRT nas vias da cidade de Manaus
créditos: Divulgação
A empresa Consórcio Construbase – AS Paulista será a responsável pela execução das obras do Sistema Bus Rapid Transit (BRT), no trecho Corredor Leste de Manaus. De acordo com informações publicadas no Diário Oficial do Município (DOM), desta quarta-feira (11), a Construbase venceu a concorrência pública (Pública nº. 050/2011-CLS/PM) com o valor de R$ 222.969.519,69.
 
A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) desclassificou, em dezembro do ano passado, os consórcios Sanches Tripolini-Arvek e Construbase - S.A. Paulista, durante a fase de documentação da licitação do Bus Rapid Transit (BRT). As concorrentes não apresentaram todos os documentos exigidos pelo edital.
 
Na época, a implantação do BRT estava orçada, pelo projeto básico, em R$ 290 milhões e o prazo para conclusão do sistema é 24 meses após o início das edificações. Ainda segundo informações da prefeitura, das 42 empresas que compraram o edital, somente duas em formato de consórcio apresentaram propostas para realizarem a obra.
 
De acordo com informações do Ministério das Cidades, o sistema BRT integrará a Zona Leste ao Centro de Manaus e comporá o sistema de integração da capital para a Copa de 2014 com o monotrilho nos terminais de integração Largo da Matriz, no centro da cidade, e Jorge Teixeira, Zona Leste, formando um “anel” de transporte público coletivo na capital amazonense. O sistema do BRT deve atingir uma extensão de 23 km.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Ministério das Cidades conhece rota do BRT de Belém

08/04/2012 - BRT

Ver-o-Peso, avenida Almirante Barroso, BR-316 até o município de Marituba e avenida Augusto Montenegro até o distrito de Icoaraci. Esse foi o trajeto realizado pelo Ministério das Cidades, na manhã de ontem, durante uma visita aos trechos que deverão receber as obras de implantação dos projetos BRT (Bus Rapid Transit) e Ação Metrópole. A visita foi o último compromisso da representante do ministério referente ao projeto antes do embarque para Brasília.

Durante a visita, representantes do Governo do Estado do Pará, da Prefeitura Municipal de Belém e do ministério pararam em pontos que, de acordo com o previsto, receberão os terminais de integração que alimentarão os ônibus do BRT. No município de Marituba, a previsão é de que o terminal seja instalado em um terreno onde hoje está localizado um prédio abandonado na rodovia BR-316. “O sistema vai começar aqui”, informou o diretor geral do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM) – responsável pela implantação do projeto Ação Metrópole, César Meira. “Quem chegar de outros municípios vai descer aqui e entrar no sistema do BRT”.

Apesar da previsão apresentada à diretora de mobilidade urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide, o governo reconhece que o local pode ser alterado. “Não é um terreno do Estado e ainda não foi desapropriado. A previsão é de que o terminal fique aqui”, disse César.

Segundo ele, apesar de não estar incluído no projeto do Ação Metrópole, ainda há a possibilidade de transferência do Terminal Rodoviário de Belém para este ponto em Marituba. “Não vai ser mais preciso os ônibus intermunicipais entrarem na cidade. A rodoviária sairia de São Brás e viria para cá”, disse. “Isso não está incluído no Ação Metrópole, mas é consequência natural. Há uma possibilidade de, durante a obra da BR-316, o terminal ser transferido”.

Apesar das previsões, César Meira também informa que o governo estadual ainda depende de recursos federais para iniciar as obras. De acordo com o cronograma definido pelo Estado para a parte das obras que lhe cabe, ainda neste ano seria iniciado o prolongamento da avenida João Paulo II, que também aguarda o possível repasse do Ministério das Cidades. “A João Paulo será feita com recursos do governo federal e o Estado entraria com a contrapartida que ainda não foi definida. A parte da João Paulo já está licitando e devemos abrir o edital no mês que vem”, explicou. “Vamos começar pelas vias de escoamento para depois fazer o BRT na BR. A instalação do BRT deve começar apenas no ano que vem”.

ESPERANÇOSOS

Em um dos pontos que diz respeito às obras de responsabilidade municipal, na avenida Augusto Montenegro, a gerente de projetos da Prefeitura de Belém, Suely Pinheiro, também demonstrou otimismo com relação à possibilidade de ajuda do Ministério. “Por enquanto, a obra está sendo feita com recursos próprios do município. A obra toda está orçada em R$ 390 milhões e a previsão de recursos do município disponíveis é de R$ 40 milhões”, afirmou. O repasse de recursos federais para o projeto municipal ainda permanece, no entanto, proibido pela Justiça, que concedeu liminar no último dia 23, em ação movida pelo Ministério Público Federal, para impedir os repasses, alegando irregularidades no projeto. “A ação do Ministério Público é um processo normal. Em todo o Brasil acontecem ações. Estamos esperançosos de que esse recurso (do governo federal) venha”, disse Suely.

Segundo ela, as obras já iniciadas pela prefeitura para instalação do BRT – no Entroncamento e nas avenidas Almirante Barroso e Augusto Montenegro – continuam em execução e devem permanecer assim. “As obras estão dentro do prazo previsto. No Entroncamento, estão sendo feitas obras de base e fundação. Na Augusto Montenegro, está sendo feito um pavimento rígido. Já na Almirante Barroso é um pouco diferente porque já existe um pavimento rígido. Como já tem a base, vamos continuar com as obras no canteiro central”.

Apesar do otimismo das duas esferas com relação à liberação dos recursos, a diretora de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide, pouco pode falar sobre a possibilidade. Segundo ela, a visita aos locais que devem receber as obras é de praxe em quase todas as cidades que concorrem aos recursos do PAC Mobilidade Grandes Cidades. “Tenho certeza de que, quando os projetos estiverem implementados, a mobilidade vai ficar bem melhor”, disse. “Não sou conhecedora da cidade para fazer uma avaliação. Essa visita é de praxe para conhecer a situação da cidade”.

DE PRAXE

Após a reunião realizada na última quinta-feira para apresentar o projeto complementar de implantação do BRT e do Ação Metrópole ao Ministério das Cidades, a diretora de Mobilidade Urbana do Ministério, Luiza Gomide, percorreu os trechos da Região Metropolitana que receberão o sistema de transporte rápido. Segundo Gomide, a visita é de praxe às cidades que esperam receber recursos do PAC Mobilidade.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Governo e prefeitura de Belém finalizam ajustes para implantação do BRT

05/04/2012 - Agência Pará de Notícias

Foi concluída em reunião a minuta do termo que será assinado entre governo do Estado e Prefeitura de Belém definindo as competências de cada um no BRT

Governo e prefeitura de Belém em reunião
créditos: Divulgação

Foi concluída, em reunião ocorrida na tarde desta quarta-feira, 4, no Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), a minuta do termo de compromisso que será assinado entre governo do Estado e Prefeitura de Belém para selar o acordo de ajustes dos projetos do sistema integrado de BRT (Bus Rapid Transit). O encontro faz parte de um ciclo de reuniões entre equipes do Estado e município para tratar dos ajustes técnicos que permitirão uma implantação integrada do sistema na Região Metropolitana de Belém, envolvendo 40 quilômetros de vias.
 
O termo de compromisso contém os seguintes pontos: extensão dos percursos até o centro de Belém e até a orla de Icoaraci, com faixas preferenciais, conforme itinerário definido no projeto Ação Metrópole; Terminal Intermodal em Icoaraci; revisão das estações de integração da rodovia Augusto Montenegro; e observância dos pontos de parada de acordo com os polos geradores de tráfego.
 
Fazem parte do termo ainda os seguintes itens: soluções geométricas de ultrapassagem nos pontos de parada, dos corredores sem comprometimento da capacidade da via (pista e faixas de tráfego) para tráfego geral; soluções de embarque e desembarque de passageiros em nível nos pontos de parada, com pagamento antecipado da tarifa, incluindo os trechos do centro de Belém e de Icoaraci; padronização dos ônibus com as mesmas especificações técnicas, previstas no Ação Metrópole. O NGTM propõe o uso de veículos articulados e não biarticulados.
 
Também no compromisso estão a supressão dos terminais de integração previstos para o Entroncamento e São Braz; a manutenção da ciclovia no canteiro central da avenida Almirante Barroso; e decisão de que a gestão do planejamento da operação do sistema BRT fica a cargo do governo do Estado. A prefeitura, por sua vez, participará do consórcio metropolitano que fará a gestão do sistema.
 
Discussões
 
O termo de compromisso deverá ser assinado pelo governador Simão Jatene e pelo prefeito de Belém, Duciomar Costa. Em seguida, será encaminhado, juntamente com os projetos e as cartas-consulta, para o Ministério das Cidades, o que deve ocorrer até quarta-feira (11), para apreciação do governo federal e possível inclusão dos projetos de BRT do Pará no PAC Mobilidade.
 
A diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola, informou que o sistema de Bus Rapid Transit tem características e princípios específicos, necessários para ser considerado um sistema BRT, daí a importância de reuniões para esses ajustes de projetos. “Por isso já agendamos mais duas reuniões, e as próximas já estão marcadas para segunda-feira (9) e para o dia 25, para tratar do consórcio. São reuniões técnicas”, reforçou.
 
O sistema BRT precisa ter: um projeto de infraestrutura que contempla canaletas, faixas preferenciais, pontos de paradas no mesmo nível do embarque nos ônibus, permissão de ultrapassagem entre ônibus nas canaletas, localização de estações de integração nas canaletas e pagamento da tarifa fora dos ônibus, entre outros.
 
No acordo firmado entre Estado e prefeitura, ficou definido que o governo será responsável pela construção da infraestrutura para o BRT, no trecho do Entroncamento até o município de Marituba, incluindo o prolongamento da avenida João Paulo II. Sob responsabilidade do município ficam as obras do corredor da rodovia Augusto Montenegro até o distrito de Icoaraci, estendendo os serviços até a orla com a construção de um terminal intermodal, e do corredor da avenida Almirante Barroso até o Ver- o Peso.
 
Leia também:

Belém: representante da União conhece projeto Ação Metrópole e o percurso do BRT 
Em Belém, Investimento em obras de mobilidade urbana deve ser de R$ 910 milhões 
Pedestres se tornam vítimas em Belém