sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Belém terá BRT financiado pelo Japão

31/08/2012 - Diário do Pará

Na próxima terça (4), o governador do Pará, Simão Jatene, vai a Tóquio para assinar o contrato de empréstimo internacional que garante o projeto Ação Metrópole

A viagem garante ao Estado o recurso da ordem de R$ 320 milhões para financiamento da obra.
 
O transporte é uma questão de integração metropolitana, que o projeto de mobilidade Ação Metrópole vai assegurar, graças à assinatura do contrato com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica). “Vamos ao Japão em busca de uma solução para a mobilidade dentro da RMB, para que o trabalhador tenha um transporte de qualidade que integra vários corredores e linhas de Marituba a Belém”, afirma Simão Jatene.
 
O projeto integrará os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, com a implantação do Bus Rapid Transit (BRT) do Entroncamento, na saída da capital, até Marituba, na Grande Belém. O governo do Estado desenvolve o Ação Metrópole em parceria com a Jica desde 1990; a partir de agora, a agência também será a financiadora do projeto.
 
A comitiva governamental permanece até o dia 8 no Japão. Na ocasião, os diretores do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), responsável pela implementação do Ação Metrópole, também vão fechar, junto aos japoneses, a contratação internacional da consultoria geral para o projeto de mobilidade urbana, que implantará o Sistema BRT na RMB.

Infraestrutura

O Ação Metrópole foi iniciado em 1990, quando a capacidade de mobilidade urbana de Belém começou a apresentar sinais de saturação. Para solucionar o problema, o governo do Estado desenvolveu estudos que resultaram na proposta de implantação de uma rede integrada de transporte público coletivo, o BRT, em uma nova infraestrutura viária, com vias alternativas ao tráfego, implantação das obras dos corredores e a gestão consorciada desse sistema.
 
“Este é um grande momento para o Estado, pois o Ação Metrópole vai muito além de um projeto de mobilidade. Ele trará qualidade de vida para as pessoas, especialmente aquelas que dependem do transporte público, pois reduzirá o tempo de deslocamento em 50%. Isso quer dizer que, saindo do ponto mais extremo da RMB, que é Marituba, as pessoas vão poder chegar até o centro da cidade em 40 minutos”, explica.

Sistema

O Ação Metrópole promoverá a integração física de toda a RMB. Assim, os embarques e desembarques serão feitos dentro de estações de integração, permitindo o deslocamento com mais conforto e rapidez e apenas uma tarifa, que será definida de acordo com os padrões econômicos da população.

Sai empresa vencedora do pregão do BRT Belém

27/08/2012 - O Liberal

A empresa San Marino Neobus fornecerá 50 veículos em 2 lotes 

A Prefeitura Municipal de Belém (PMB) declarou ontem a empresa San Marino Ônibus e Implementos LTDA como a vencedora do pregão nº63/2012 que trata da compra de ônibus articulados e biarticulados para o projeto BRT (Bus Rapid Transit). Segundo a prefeitura, a San Marino Neobus cumpriu todas as exigências previstas no edital. A próxima etapa será a homologação do resultado pela diretora-superintendente da Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel), Ellen Margareth De Souza. 

A San Marino Neobus fornecerá 50 veículos em dois lotes. Os ônibus articulados contam com dois vagões e lotação máxima de 170 pessoas, já o biarticulado possui três vagões e capacidade para até 270 passageiros. O primeiro lote de compra está orçamentado em R$ 849 mil, e o segundo em R$ 1.373.000. O processo foi concluído depois de três adiamentos, um resultado inconcluso e um recurso protocolado pela empresa Comil Ônibus S.A. que contestou o resultado. 

A prefeitura rejeitou o recurso protocolado pela Comil Ônibus, considerada inabilitada para participar do pregão. Segundo nota da PMB, a empresa em questão "apresentou o projeto de compra para ônibus urbano e não específico para o BRT". A nota informa ainda que, após decidir o recurso, a Comissão Permanente de Licitação (CPL) deu por encerrado o processo. 

A previsão da Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) é iniciar as operações ainda no final do mês de setembro ou, no máximo, na primeira semana de outubro. O projeto tem o investimento total de R$ 470 milhões de reais e visa melhorar o transporte público da população com faixas exclusivas para os ônibus. Segundo estimativas da PMB, serão transportados diariamente cerca de 600 mil pessoas pelas avenidas Augusto Montenegro e Almirante Barroso

sábado, 18 de agosto de 2012

Sem passageiros, ônibus executivos são colocados à venda em Manaus

18/08/2012 - D24am

Com a queda de 60% no número de passageiros do transporte executivo após o aumento da tarifa para R$ 4,20 e mudança de rota no Centro de Manaus, muitos proprietários de micro-ônibus estão colocando os veículos à venda. Para o motorista Francisco Bezerra, da Cooperativa dos Condutores Profissionais Autônomos de Manaus (Coocpam), que roda pela cidade anunciando a venda de um micro-ônibus, a situação é preocupante. Ele contou que dispensou o cobrador recentemente por não ter condições de pagá-lo. “Antes meu faturamento diário chegava a R$ 1 mil, hoje não consigo fazer nem R$ 300 para pagar o cobrador, custear as despesas do diesel e alimentação”, disse. 

Sobre a concessão do veículo junto à Coocpam, que permite que o cooperado possa circular pela cidade, Bezerra afirmou que fará uma espécie de transferência de documentos para o futuro comprador do veículo. “Se ele não quiser utilizar o micro-ônibus para fazer outros serviços posso, sim, disponibilizar a minha concessão para que ele continue atuando com o transporte coletivo”, garantiu. 

Atualmente, o sistema de transporte executivo possui 265 micro-ônibus, em 37 rotas que trafegam em todas as zonas de Manaus. De acordo com o superintendente do Sistema Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Wesley Aguiar, um levantamento feito com base em estudos encomendados pela Prefeitura de Manaus mostrou que, apenas, 5% do total da frota convencional deveria fazer rotas em Manaus, o que seria, hoje, em torno de 80 micro-ônibus executivos. 

A SMTU afirma que a queda de passageiros está ligada ao ‘inchaço’ do sistema e à renovação da frota dos ônibus convencionais.