quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Transporte coletivo de Boa Vista não atende a demanda de passageiros

22/01/2013 - BV News

O transporte coletivo é o principal meio de transporte para muitas pessoas em Boa Vista. Cerca de 29 mil passageiros dependem desse serviço para se locomover entre trabalho, escola e outros destinos. Porém, a frota atual não atende a demanda com eficiência e a melhoria desse serviço é uma das metas da prefeita Teresa Sutita.


Entre os passageiros que utilizam o transporte coletivo 2.700 possuem gratuidade e 9.500 são estudantes. Atualmente, a empresa que presta serviços à Prefeitura dispõe de 75 veículos e 12 linhas em atividade, atendendo 53 bairros. Nos dias úteis os ônibus urbanos circulam com 100% de sua frota, com 6 veículos na reserva técnica. Aos sábados 40%, e nos domingos e feriados com 30 % da frota, ficando sempre o sobreaviso no caso de demanda de eventos relevantes.

Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook


O presidente da Emhur Edgard Magalhães ressaltou que o projeto inclui um estudo minucioso para determinar a quantidade de pessoas que utilizam o transporte coletivo, táxi-lotação, horários de pico e rotas de ônibus.

"As melhorias no trânsito da capital incluem a organização do sistema de transporte coletivo e alternativo, oferecendo à população um serviço de qualidade que atenda às reais necessidades, assegurando as condições de mobilidade e acessibilidade urbana", afirmou Edgard.

Segundo o diretor interino de mobilidade urbana da Emhur, Natércio Dutra, a Prefeitura já está fazendo um estudo geral, sobre a situação de rotas, quantidade de veículos e a situação precária que eles se encontram. "Nosso objetivo é melhorar o transporte coletivo para as pessoas que dependem dele", disse Dutra.

A estudante Josinete Souza disse que a quantidade de veículos é baixa, refletindo no tempo de espera entre os ônibus da mesma linha. "Uso o transporte todos os dias para ir a universidade, e no horário de pico é um sufoco, demora muito. A situação atual que os coletivos se encontram também é ruim, estão velhos", lamentou.

Para a funcionária pública Rosa Sousa o transporte coletivo está abandonado. Ela afirma que a maioria dos veículos estão quebrados e não oferecem conforto. "Já passei por situações de estar indo para o trabalho e o ônibus quebrar no meio do trajeto. Isso é um absurdo, pagamos nossos impostos para ter direito a um transporte descente", falou.

Os veículos tem vida útil de 9 anos, um ônibus tradicional tem capacidade para 60 pessoas com assento para 30 usuários. Boa Vista possui apenas um veículo sanfonado, com capacidade ampliada para 120 lugares.

De 2001 a 2006, a quantidade de ônibus em circulação passou de 64 para 103 em Boa Vista, sendo 75 ônibus e 28 micro-ônibus. A capital era atendida por duas empresas. Veículos adaptados para cadeiras de rodas foram colocados em circulação e as empresas de ônibus adotaram o Boa Vista Card, bilhete eletrônico que substituiu o antigo vale-transporte.

Mobilidade e acessibilidade urbana

O projeto de mobilidade e acessibilidade urbana da capital prevê uma série de medidas e obras para facilitar a locomoção de pessoas com deficiências, melhorar o fluxo de veículos e reduzir a violência no trânsito.

Serão investidos na primeira etapa R$ 68 milhões, por meio de convênio com o Ministério das Cidades. Entre as medidas iniciais está o diagnóstico do fluxo de veículo nas principais avenidas da cidade, identificação dos pontos críticos do trânsito, estudo das rotas de transporte coletivo, levantamento sobre a necessidade de instalação de calçadas, meio-fio, abrigos e terminais de ônibus. Este trabalho deve ser concluído em até 60 dias.

"É um trabalho complexo, que possibilitará identificar e discutir soluções para uma série de problemas. O resultado será um novo conceito para o trânsito da capital", declarou a prefeita Teresa Surita.

A partir do diagnóstico da condição de mobilidade e acessibilidade da capital, a Prefeitura irá determinar as ações prioritárias. Entre as propostas já discutidas está a criação de pistas ou vias exclusivas para trânsito de motocicletas, instalação de ciclovias, organização do transporte coletivo, construção de novos abrigos de ônibus, calçadas com acessibilidade, criação de novas vias para escoar o fluxo de veículos e sinalização de trânsito.

Informações: BV News

Manaus e Curitiba revisam planos de mobilidade urbana para a Copa

Manaus e Curitiba revisam planos de mobilidade urbana para a Copa

21/01/2012 - Valor Econômico

O monotrilho e o BRT (Bus Rapid Transit, em inglês, sistema de corredores exclusivos para ônibus), de Manaus não vão mais sair a tempo de transportar os torcedores para assistir os jogos da Copa do Mundo de 2014.

A alternativa agora será o transporte por ônibus, com estrutura similar à adotada durante o carnaval da cidade, segundo alternativa apresentada pela Unidade Gestora do Projeto Copa do Amazonas. No Paraná, o plano de mobilidade de Curitiba está sendo revisto. Foi criada uma comissão que vai reavaliar os prazos e projetos que estão sendo executados para o evento.

Os dois principais projetos de transporte de massa de Manaus custariam R$ 1,5 bilhão e saíram das responsabilidades para a Copa a pedido do governo do Amazonas. As obras do monotrilho e do BRT continuam a ser executadas pelo governo estadual e devem receber verba do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Urbana, que não tem exigência de conclusão até julho de 2014, como as obras previstas para o mundial.

Sem essas duas principais obras de mobilidade urbana, o governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus elaboraram novo plano operacional que prevê acesso dos torcedores à Arena da Amazônia majoritariamente por ônibus durante os jogos da Copa do Mundo de 2014.

O planejamento estima que 69% dos torcedores que irão à Arena da Amazônia terão acesso por transporte coletivo. Já os ônibus de agências de turismo e hotéis transportarão 20% dos espectadores. Os 11% restantes usarão carros particulares ou outros meios. O estádio terá capacidade para 42 mil torcedores e tem previsão de entrega para dezembro deste ano.

De acordo com o coordenador da Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP COPA), Miguel Capobiango Neto, as ações previstas são semelhantes às desenvolvidas nos grandes eventos que ocorrem anualmente na região do estádio, onde também está localizado o Sambódromo e o ginásio Arena Amadeu Teixeira. "A exemplo do que ocorre no carnaval, Carnaboi e Boi Manaus, quando mais de 150 mil pessoas vão ao Sambódromo, o trânsito também será alterado para viabilizar o deslocamento do público", afirmou o coordenador.

Paraná

Já a Prefeitura de Curitiba instalou a Comissão de Revisão das Obras do PAC da Copa, que vai estudar a previsão de custos, o prazo e a qualidade de sete projetos de mobilidade urbana previstos para o mundial.

Entre as obras estão: corredor Aeroporto-Rodoferroviária; revitalização da Avenida Cândido de Abreu; corredor da Avenida Marechal Floriano Peixoto; Linha Verde Sul; reforma da Estação Rodoferroviária; ampliação do Terminal Santa Cândida; e implantação do Sistema Integrado de Mobilidade, que irá monitorar o trânsito na capital paranaense.

Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Curitiba, os relatórios serão entregues mensalmente para o novo prefeito da cidade, Gustavo Fruet (PDT), que vai revisar os projetos que devem ser executados até julho de 2014.

Por Guilherme Soares Dias | Valor Econômico