quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Terminais de ônibus de Manaus deverão ser revitalizados, diz SMTU

12/09/2012 - G1

Segundo órgão, principais mudanças irão acontecer nos Terminais 3, 4 e 5. 'Uma reforma profunda será feira no Terminal 1', diz superintendente adjunto.
 
Terminal de ônibus localizado no centro de Manaus (Foto: Tiago Melo/G1 AM)
Do G1 AM
De acordo com a SMTU, as principais mudanças irão acontecer nos Terminais 3, 4 e 5, onde será necessária uma revitalização e recuperação das passarelas que estão ligadas as obras do Monotrilho e BRT, que deverão atender o design previsto para o projeto. 

Ainda segundo o órgão, o Terminal 2, localizado no bairro Cachoeirinha, Zona Sul da cidade, necessita de um trabalho mais profundo pois a área não comporta as linhas atendidas e, com isso, será realizada uma realocação nas adjacências do local. Além disso, um arranjo interno de pistas deverá favorecer o acesso rápido e seguro aos terminais de ônibus.
Para o superintendente adjunto, Antônio Norte Filho, no Terminal 1 será feita uma reforma profunda e não a retirada do Centro. "Retirar o T1 da Avenida Constantino Nery seria muito prejudicial à mobilidade urbana, visto que este é um dos pontos mais importantes de integração física do transporte urbano de Manaus", relatou.
O superintendente também afirmou que o Terminal 1 irá passar por uma readequação viária no trecho entre as ruas Ayrão e Leonardo Malcher, com o objetivo de buscar novas alternativas de melhoria na mobilidade urbana e democratizar o acesso ao espaço.“O estudo feito é uma radiografia dos equipamentos públicos expostos para a sociedade, afinal, a integração dos meios de transporte público reveste-se de uma importância política, pois não adianta somente inaugurar, é preciso manutenção”, explicou.
Já a analista de transportes urbanos da SMTU, Ivanilde Oliveira, falou sobre os principais problemas encontrados durante o estudo. “Em todos os terminais foram constatadas as mesmas situações: depredação, problemas no pavimento, falta de sinalização e ocupação de espaço pelos camelôs que tiram o conforto da população”, completou. 

Para ler mais notícias do G1 Amazonas, clique em g1.globo.com/amazonas . Siga também o G1 Amazonas no Twitter e por RSS .

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

População está otimista com a implantação do BRT na Grande Belém

06/09/2012 - Agência Pará de Notícias

O primeiro passo para que o projeto saia do papel foi dado com a assinatura do contrato de empréstimo, no valor de R$ 320 milhões

O projeto Ação Metrópole, do Governo do Estado, que integrará os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará e Santa Izabel do Pará, com a implantação do Bus Rapid Transit (BRT) do Entroncamento, na saída da capital, até Marituba, na Grande Belém, foi recebido de forma positiva pela população. O primeiro passo para que o projeto saia do papel foi dado com a assinatura do contrato de empréstimo, no valor de R$ 320 milhões, com a Jica (Agência Internacional do Japão), nesta terça-feira (4), em Tóquio, no Japão, pelo governador Simão Jatene.
 
Nas ruas, quem dependente diariamente do transporte urbano está otimista com a novidade. O estudante Ramael Soares, por exemplo, conta que precisa utilizar por dia, quatro ônibus para chegar a seu local de trabalho. “Hoje em dia está muito complicado depender de ônibus. Eu moro em Ananindeua e trabalho no centro. Mesmo pegando quatro ônibus por dia, eu ainda chego atrasado no emprego. Com certeza este projeto vai melhorar a vida de muita gente”.
 
Moradora do município de Marituba, a dona de casa Carmen Souza leva em média duas horas e meia para chegar a um hospital público na área do Centro de Belém. “Como estou fazendo um tratamento tenho que fazer essa viagem três vezes por semana. É muito complicado e às vezes da vontade de desistir. Mas eu estou com uma esperança de que realmente o BRT irá solucionar esse problema. É bom ver que as coisas já estão começando a acontecer mesmo depois de tanto tempo”, ressalta.
 
O BRT será operado por ônibus articulados com quatro portas no lado esquerdo, trafegando em canaletas na rodovia BR-316 e na avenida Augusto Montenegro, em faixas exclusivas na avenida Almirante Barroso e faixas preferenciais a partir de São Brás até o Centro de Belém e no Centro de Icoaraci. Para agilidade no embarque/desembarque e acesso universal, a infraestrutura contará com: dois terminais de integração, um em Marituba e outro em Icoaraci; três estações de integração, duas no corredor Augusto Montenegro, denominadas Tapanã e Mangueirão e uma no corredor BR-316, denominada Águas Lindas; além de garagens (Marituba e Icoaraci) e os pontos de parada cobertos onde será realizado o pagamento antecipado da tarifa, com plataforma no mesmo nível do piso do ônibus.
 
O governo do Estado desenvolve o Ação Metrópole em parceria com a Jica desde 1990 e, a partir de agora, a agência também será a financiadora do projeto. O sistema BRT permite em sua totalidade o transporte de 40 a 45 mil passageiros nas horas de pico. O sistema atual, na Almirante Barroso, tem a capacidade de tráfego para somente 11 mil no horário de pico.

BRT em Belém começa a ser operado em outubro

04/09/2012 - O Liberal

O sistema BRT (sigla em inglês para Bus Rapid Transit ou trânsito rápido em ônibus) deve começar a operar, de forma experimental, no início do mês que vem, na avenida Almirante Barroso, uma das linhas troncais. Com essa etapa experimental, as linhas de ônibus que existem atualmente na via ainda não deixarão de circular totalmente (isso acontecerá gradativamente) e parte delas será remanejada para outras vias, como as avenidas João Paulo II, Romulo Maiorana, Duque de Caxias, Marquês de Herval e Pedro Miranda (que terá o corredor central exclusivo para ônibus).
  Até lá, acredita-se que os elevados do Entroncamento, que vão ligar a Almirante Barroso com a rodovia Augusto Montenegro (segunda linha troncal), já estarão prontos, acabando com parte da lentidão do trânsito que tem atormentado a população. Também nessa etapa, os ônibus vindos de outros municípios da Região Metropolitana de Belém (RMB) já não vão mais circular dentro da cidade e o sistema de Bilhete Único (BU) já deverá estar implantado. A conclusão da Augusto Montenegro está prevista apenas para o final de 2013.
 A gerente do programa da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), Suely Sawaki Pinheiro, reiterou que os cruzamentos da Almirante Barroso e da Augusto Montenegro não serão fechados, uma dúvida que não sai da cabeça da população. Os condutores vão continuar cruzando normalmente essas vias pelas transversais. O único cruzamento fechado definitivamente foi o da travessa Perebebuí com a Almirante Barroso. Os demais estão apenas em obras, mas serão liberados integralmente. Um trecho já terá em funcionamento o sistema de semáforos inteligentes, controlados por uma central de operações e, futuramente, todos os cruzamentos das linhas troncais serão com esse sistema. As ciclovias ficam no centro da linhas troncais.
 'Todas essas mudanças serão informadas em campanhas massivas aos usuários e condutores para quem entendam como usar o sistema e o que muda. Quanto aos ônibus, a Ctbel (Companhia de Transportes do Município de Belém) deverá fazer um estudo para determinar como será a readequação dessas linhas e deverá ser concluído a partir dessa semana. A aplicação do BU e da integração também será com a Ctbel', explicou Suely.
 A estimativa é de que sejam 23 paradas, sendo oito na Almirante Barroso e 15 na Augusto Montenegro, com mais três estações, sendo uma em São Brás, uma no Entroncamento e uma no início da Augusto Montenegro no distrito de Icoaraci. Atualmente há 36 paradas por sentido na Augusto Montenegro e mais 14 na Almirante Barroso, mas muitas estão com baixa demanda ou não respeitam a distância mínima de 400 a 500 metros entre uma parada e outra. Porém, esse número pode aumentar. Estimativas informais da Ctbel apontavam a necessidade de duas paradas a mais.